26.4 C
Contagem
terça-feira, maio 28, 2024
HomeCadernosCidade30 anos do Mercado Central

30 anos do Mercado Central

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

O Mercado Central de Contagem completa 30 anos em 2019. Nestas três décadas de vida, deixou de ser apenas um local destinado à venda de frutas, verduras e legumes para se tornar um grande centro comercial: são oferecidos mais de 60 tipos de produtos. Além disso, concentra prestação de serviços e vem se tornando um dos principais pontos da cidade com eventos acessíveis ao público, se consolidando como referência cultural e patrimonial.
No Mercado Central há lojas de biscoitos e ervas medicinais, pet shop, tabacaria, laticínios, peixaria, açougue, de roupas e assessórios, além dos hortifrutigranjeiros. Em se tratando de serviços, funciona os Correios, tem dentista, lotéricas, lojas de conserto de celulares, de instrumentos musicais e drogarias, sem contar lanchonetes, bares, restaurantes e armazéns.
Conhecido como Cariri, Antônio Djalma Xavier Porto é um dos comerciantes mais antigos, desde o início do Mercado. Ele é proprietário do estabelecimento que leva o seu apelido e que tem a cachaça como grande atrativo. Mas no “Bar do Cariri” também são vendidos cervejas e tira-gostos. “Temos vários rótulos e a que mais vende é a famosa cachaça da roça. Para acompanhar, a carne de panela com mandioca e jiló é muito pedida”, sugere Cariri.
Quem também está pre- sente no Mercado desde o início é a loja “J Almeida Doces”, que vende laticínios em geral, frutas secas e castanhas. Deivison Vieira de Almeida é filho do proprietário. “No início, só verduras, frutas e legumes podiam ser comercializados aqui. Depois, nosso comércio foi ganhando características de uma mercearia e passamos a vender queijos e doces. Hoje, as pessoas têm condições de se alimentar melhor e compram aqui, por exemplo, castanha-do-pará. Antigamente não havia demanda deste tipo de produto. Quem ia comprar castanhas naqueles tempos?”, avalia Deivison, que tem clientes antigos e mais novos.

Música e galeria de arte

O Mercado Central de Contagem mistura cultura urbana e interiorana, o antigo e o novo, em uma profusão de cores, cheiros e texturas. Tem área total de aproximadamente 19 mil metros quadrados, com 226 unidades (entre boxes e lojas), e chega a receber cerca de 800 visitantes diariamente.
Acontece aos domingos, das 11 às 13h, apresentações de músicas.
Em uma das três entradas do Mercado está a galeria de arte do projeto “Tudoaver – Mostras de Arte em Contagem”, que também fica exposto no Centro Cultural de Contagem. As exposições mudam mensalmente. Neste mês, está no Mercado a exposição “Do ocidente ao oriente”, do artista iraniano Faris Dawwod, que pode ser conferida de segunda a sábado, das 7 às 19h30, e aos domingos e feriados, das 7 às 13h.

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar