25.9 C
Contagem
domingo, maio 26, 2024
HomeCadernosGeralFes­tas de final de ano

Fes­tas de final de ano

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

Mais um final de ano se apre­sen­ta, com as carac­te­rís­ti­cas de sem­pre. Com­pras de últi­ma hora, trân­si­to aos ­finais de sema­na, car­dá­pio da ceia de natal, via­gem de ano novo, ­férias das crian­ças, ami­gos secre­tos, fes­tas cor­po­ra­ti­vas, enfim, a velha e conhe­ci­da TPN -Ten­são Pré Natal, a qual cos­tu­ma aco­me­ter ­homens e prin­ci­pal­men­te mulhe­res no últi­mo mês do calen­dá­rio.
Esta tam­bém é a época dos encon­tros de con­fra­ter­ni­za­ção, entre eles se ­incluem as polê­mi­cas fes­tas empre­sa­riais de fim de ano, as quais, em geral, cau­sam certo des­con­for­to e algu­mas vezes saias jus­tas aos par­ti­ci­pan­tes. Seja um jan­tar for­mal, uma recep­ção em uma casa de even­tos ou um chur­ras­co com pago­de e fute­bol, as recla­ma­ções esta­rão sem­pre pre­sen­tes. Longe, cedo, muito tarde, brega, chi­que ­demais, comi­da ruim ou pouca varie­da­de. O fato é que nunca se con­se­gui­rá agra­dar a todos os gru­pos, cujos tipos clás­si­cos serão iden­ti­fi­ca­dos a ­seguir.
Esta é, no entan­to, uma opor­tu­ni­da­de de conhe­cer ­melhor quem é quem, con­si­de­ran­do os gru­pos que se for­mam, como os papa-­léguas, de pes­soas aves­sas a este tipo de come­mo­ra­ção. Elas resol­vem dar uma pas­sa­di­nha na festa com ­receio dos comen­tá­rios de che­fes e cole­gas de tra­ba­lho. Toda­via, che­gam com as des­cul­pas na ponta da lín­gua como: tenho outra festa ou esta­va tra­ba­lhan­do até agora. Como o pás­sa­ro homô­ni­mo, cos­tu­mam sair com a mesma velo­ci­da­de que che­ga­ram aos ambien­tes.
Outro grupo carac­te­rís­ti­co é for­ma­do pelos vicia­dos em tra­ba­lho. Eles não esque­cem seus afa­ze­res nem mesmo enquan­to comem ou bebem. Cos­tu­mam se apro­vei­tar do clima infor­mal para que­rer resol­ver pro­ble­mas ou mesmo ­cobrar pen­dên­cias, entre um copo de uís­que ou boli­nho de quei­jo. Por esta razão cos­tu­mam ser vis­tos sozi­nhos, pas­sean­do entre as mesas e rodas de con­ver­sa.
Pior que esses, são os baju­la­do­res, que for­mam o mais famo­so e anti­go dos gru­pos. Além de tudo são bons estra­te­gis­tas e bus­cam iden­ti­fi­car seus alvos com pre­ci­são mili­mé­tri­ca. Podem ser vis­tos ao lado ou ao redor das rodas de dire­to­res, supe­rin­ten­den­tes ou vice-pre­si­den­tes. São com­pa­ra­dos aos papa­raz­zos, ado­ram uma foto ou baju­la­ção.
Os bem-vin­dos – Em toda empre­sa há aque­le sujei­to boa-praça e com­pro­me­ti­do, bom de ser­vi­ço, cama­ra­da, que cos­tu­ma resol­ver os pro­ble­mas de todas as áreas. Bem rece­bi­do em todos os gru­pos, cos­tu­mam aguar­dar com ansie­da­de a festa de con­fra­ter­ni­za­ção, suge­rin­do, aju­dan­do e par­ti­ci­pan­do ati­va­men­te em sua orga­ni­za­ção.
Há tam­bém os sol­ti­nhos, que gos­tam de apro­vei­tar a festa, exa­ge­ran­do mui­tas vezes na dose, lite­ral­men­te. Com mais ­álcool e menos juízo, cos­tu­mam criar situa­ções hilá­rias ou emba­ra­ço­sas, as quais ser­vem para com­por o mural de fotos ou as len­das que ­povoam todas as empre­sas. A situa­ção piora quan­do deci­dem enfren­tar a lei seca.
E esses não são os úni­cos. Têm ainda os dan­ça­ri­nos, aque­les que não per­dem a opor­tu­ni­da­de para uma piada, os car­ran­cu­dos, que nem todo o esto­que de espu­man­te ajuda a des­fa­zer o sem­blan­te e até os natu­ral­men­te incon­ve­nien­tes. Isso sem falar nos pos­sí­veis “pene­tras” ou con­vi­da­dos de oca­sião.

Na medi­da que se lê este texto, cer­ta­men­te você vai cor­re­la­cio­na­do diver­sas pes­soas, asso­cian­do nomes e oca­siões, momen­tos hilá­rios e cons­tran­ge­do­res, lem­bran­do-se de his­tó­rias cômi­cas – ­outras nem tanto – ocor­ri­das duran­te as cele­bra­ções empre­sa­riais. Caso não tenha con­se­gui­do se encai­xar em ­nenhum grupo não se preo­cu­pe, tal­vez tenha sido seu senso crí­ti­co, o popu­lar bom senso, que não tenha per­mi­ti­do.
Não rela­xe, pois nada é defi­ni­ti­vo. Um peque­no des­cui­do e lá está você, par­ti­ci­pan­do de um des­ses gru­pos ou inau­gu­ran­do outro. A men­sa­gem que fica, no entan­to, é que pru­dên­cia, bom senso e pro­fis­sio­na­lis­mo devem guiá-lo, afi­nal de con­tas, você não irá que­rer mais uma dor de cabe­ça neste final de ano, irá?
E para não fazer feio, vale a pena ado­tar ­alguns pro­ce­di­men­tos bási­cos, como che­gar no horá­rio mar­ca­do para o iní­cio da festa. Os atra­sos dei­xam os orga­ni­za­do­res ansio­sos e são ­sinais de pouco caso. Na hora de comer seja dis­cre­to. Espe­re as pes­soas hie­rar­qui­ca­men­te supe­rio­res ser­vi­rem-se na sua fren­te. Seja agra­dá­vel e pro­cu­re falar de ame­ni­da­des. Falar mal de che­fes e cole­gas, bem como cri­ti­car a orga­ni­za­ção nesta cir­cuns­tân­cia, é expres­sa­men­te proi­bi­do (a menos que você já não se impor­te mais se vai ou não per­ma­ne­cer na empre­sa).
Evite con­tar estó­rias catas­tró­fi­cas e ficar falan­do de doen­ças. Em dias de festa as pes­soas não que­rem falar des­tes assun­tos e você pode­rá se tor­nar desa­gra­dá­vel. Cui­da­do com a roupa! Mesmo que aque­le cole­ga mara­vi­lho­so – ou aque­la – que você paque­rou o ano intei­ro for pre­sen­ça con­fir­ma­da, lem­bre-se que todos os che­fes, dire­to­res e cole­gas tam­bém esta­rão por lá. Pro­cu­re um ­visual ale­gre e valo­ri­ze seu esti­lo, mas que seja tam­bém ade­qua­do na cor, com­pri­men­to, trans­pa­rên­cia, etc.

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar