19.2 C
Contagem
quarta-feira, junho 19, 2024

Xeque-mate

Date:

Matérias Relacionadas

Anny Kalessa para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

Meu nome é Anny Kalessa (@annykalessa), tenho 22 anos,...

Edição 1233 14 de Junho de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Não caia no golpe da falsa cobrança

Alerta importante A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria...

Mais duas trincheiras na br 381

Mais mobilidade Contagem recebeu mais uma importante notícia que vai...

O Impacto das eleições municipais nos serviços públicos

As eleições municipais, que elegem prefeitos, vice-prefeitos e vereadores,...
Ir para Criarteweb

O xadrez é um jogo milenar que exige estratégia. Talvez por isso a sua associação constante às práticas militares e políticas. Se no jogo, cada lance exige concentração maior, pois é preciso não perder de vista a última movimentação do adversário; na política, além disso, é preciso refletir bem sobre os efeitos que se quer e se pode obter e só então efetuar a jogada. Em uma única palavra, xadrez.
É da gramática que vem outro conceito importante para a prática política, visto que largamente utilizado pelos praticantes desta arte nobre: a entrelinha. Ler nas entrelinhas significa compreender o sentido não explícito, ouvir o não dito.

Claro está que os políticos – uns mais, outros menos, dai a roupagem de raposa dada a muitos deles – são useiros e vezeiros desta prática e para entendê-los é preciso conhecer tais procedimentos. Claro também que não é preciso ser exímio enxadrista para entender o jogo político, nem gramático especializado para ler entrelinhas.

Unir as duas coisas, ou seja, conhecer as duas práticas, permite que o cidadão não só entenda melhor o jogo que está sendo jogado, a escrita que está nas linhas.
É com estas ferramentas que o leitor deve se dedicar à compreensão das entrevistas com representantes da classe política, especialmente neste momento pré-eleitoral. Todos, indistintamente, dizem mensagens cifradas, usam um código de interpretação bastante particular. Em outras palavras, nem tudo aquilo que declaram se deve escrever e menos ainda, nem tudo aquilo que é não dito, deve ser desprezado.
Ao apresentar aos leitores matérias oriundas de entrevistas feitas com pré-candidatos a Presidente da República, governadores, Senadores, deputados federais, deputados estaduais/distrital nas eleições gerais que acontecem este ano, busca-se uma compreensão maior do processo de definições de nomes para a disputa. Quase sempre os políticos se declaram candidatos das bases e não de si mesmos, embora essas bases só sejam ouvidas, na realidade, quando são chamadas às urnas. Raramente algum admite que o interesse pessoal, familiar ou de  grupo esteja por trás da decisão de disputar um pleito, embora as evidências estejam claras. De tão raro, fica a pergunta sobre o interesse aparentemente conflitante.

Certo é que todas as informações são fundamentais para que o eleitor faça sua escolha, a mais consciente possível, estejam elas ditas claramente ou nas entrelinhas; assim como importa cada manobra no tabuleiro desse xadrez diferente.

Ao contrário do que se poderia esperar, neste espaço de excelência, não se trata de nomes. Não cabe tal prática. Aqui, no entanto, reflete o compromisso primeiro e maior da transformação de dados simples em informações privilegiadas, capazes de respaldar escolhas, indicar caminhos, formar opiniões, bancadas e até governo. Xeque-mate!!!!

Últimas Matérias

spot_img
Artigo Anterior
Próximo Artigo
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar