18.1 C
Contagem
segunda-feira, junho 24, 2024
HomeCadernosPolíticaManutenção da democracia

Manutenção da democracia

Date:

Matérias Relacionadas

Rayza Almeida para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

Meu nome é Rayza Almeida(almeira_rayzaaxz), tenho 20 anos, estou...

Edição 1234 21 de Junho de 2024

Edição Online da Edição 1234 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras de mobilidade na BR-381

Desenvolvimento Contagem não para. Após articular, em Brasília, uma reunião...

Restauração do Centro Cultural

Cuidado com o patrimônio Na última semana a Prefeitura deu...

Procon Câmara bate recordes em atendimentos

Referência em defesa do consumidor desde sua inauguração, em...
Ir para Criarteweb

Pedir apoio do Poder Legislativo para tentar impedir que os erros cometidos na história política recente do País voltem a ocorrer. Este é o objetivo das recomendações da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), apresentadas no relatório final da Comissão da Verdade de Minas Gerais (Covemg), na quarta-feira (4/4)
Entre os encaminhamentos propostos, está a abertura de várias Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) na Assembleia, uma delas para investigar o envolvimento de agentes de segurança pública em violações de direitos de trabalhadores rurais e de indígenas durante o período pesquisado pela Covemg (que vai de 1946 a 1988). Outra CPI apuraria a participação da antiga Ruralminas em grilagem de terras entre 1967 e 1988.

O relatório recomenda que atos violentos de repressão cometidos por empresas como Usiminas e Mineração Morro Velho também sejam objeto de CPI, assim como as mortes de posseiros e trabalhadores rurais ocorridas em Unaí a partir de 1985, que também estariam relacionadas com perseguições políticas.

Indenizações- O relatório da comissão também pede aos deputados que, no momento de votação das peças orçamentárias, destinem recursos para ações de “memória e verdade”, para pagamento de indenizações às vítimas da ditadura militar (1964-1985) e também verbas para instalar e fazer funcionar o Museu de Direitos Humanos.
Entre outros encaminhamentos, a comissão também espera o apoio da Assembleia para abertura de importantes arquivos que ainda não se tornaram públicos e o incentivo a entidades e sindicatos, para que organizem seus acervos de informações relativas ao período da ditadura. A Covemg também defende que monumentos, instituições e prédios públicos batizados em homenagem a pessoas acusadas de praticarem atos de tortura sejam renomeados.

Declarações de militar preocupam

A discussão sobre os desdobramentos do relatório da Covemg foi permeada por ponderações sobre os rumos da democracia no Brasil, face à crise política instalada no Brasil e às ações judiciais envolvendo o ex-presidente Lula.
Os deputados Cristiano Silveira e Rogério Correia repudiaram as declarações feitas pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, pelo Twitter, e repercutidas pela Rede Globo de Televisão.

O general teria insinuado que as Forças Armadas poderiam intervir na cena política, para evitar a “impunidade no País”, referindo-se ao julgamento do habeas corpus pleiteado pela defesa de Lula, no Supremo Tribunal Federal, na tarde desta quarta-feira (4). “Pelas regras do próprio Exército, ele não poderia se manifestar dessa maneira”, ponderou o deputado Cristiano Silveira.

O deputado Rogério Correia leu nota divulgada pelo PT e PSOL contra o que chamou de “campanha pró-militarismo” da Rede Globo. “O povo está convidado a ocupar as ruas hoje, novamente, em defesa da democracia”, disse. De acordo com a nota do PSOL, a situação vivida hoje no país é de uma escalada de violência política como nunca vista, desde a época da ditadura.

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar