19.3 C
Contagem
domingo, maio 26, 2024

Indiferença

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

r a generosidade, a dedicação ao próximo, o serviço social, remunerado ou não.
Não é pequeno o número de moradores de rua que resiste às abordagens, que já desistiram de retomar a vida chamada normal, de convivência próxima com familiares e amigos. É opção a ser respeitada. Há, entretanto, outros tantos queBasta chegar em casa, após mais um dia de trabalho, ligar a televisão em busca de noticiário ou, principalmente, de entretenimento e lá vem o tapa na cara. Crianças com olhares tristes vendo crianças igualmente tristes porque não conseguem mudar de vida, deixar as ruas, abandonar a miséria ao lado de adultos que nada enxergam. Quando o olhar é da criança, lá está o retrato da desesperança. Quando a imagem reflete a visão dos adultos, lá não há nada, apenas indiferença.
Sentimento este que cresce em proporção geométrica na medida em que se assiste à tudo aquilo como se fosse apenas mais um comercial de televisão, como se falasse de uma realidade muito distante. Indiferença tão grande que não permite perceber quem marginaliza quem, quem fere quem mortalmente, quem ignora outro.
Um relatório publicado pela ONU no último dia 12 mostra que a insegurança alimentar e a fome aumentaram no mundo. No Brasil, 1,5 milhão de pessoas passaram a fazer parte dessa realidade, que afeta mais de 70 milhões de brasileiros.
O Brasil tem 21 milhões de pessoas que não tem o que comer todos os dias e 70,3 milhões em insegurança alimentar.
Não é preciso ir longe para perceber que o quadro de miséria, de abandono, se repete a cada esquina, a cada instante.
Em muitos, os moradores de rua provocam sentimento de pesar, em outros tantos, de revolta. Em mais alguns, de espanto e até de medo. Certo é que a maioria não consegue ficar indiferente ao problema. A diferença é que uns reagem, enquanto outros, passam adiante, seguem caminhos sem sequer voltarem os olhos para o lado, para trás.
Muitos preferem culpar os governantes e responsabiliza-los por aquelas cenas terríveis. Acreditam que assim fazendo cumprem seu papel social. Sequer se dão ao trabalho de procurar saber qual é a realidade da população de rua do bairro, da região, da cidade.
Quem procede assim, certamente não tem problema de consciência, mas também não consegue enxergar pessoas que tem como mérito maior a generosidade, a dedicação ao próximo, o serviço social, remunerado ou não.
Não é pequeno o número de moradores de rua que resiste às abordagens, que já desistiram de retomar a vida chamada normal, de convivência próxima com familiares e amigos. É opção a ser respeitada. Há, entretanto, outros tantos que não o fazem por completa incapacidade, por derradeira impossibilidade, por total solidão. não o fazem por completa incapacidade, por derradeira impossibilidade, por total solidão.

Últimas Matérias

spot_img
Artigo Anterior
Próximo Artigo
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar