18.1 C
Contagem
quarta-feira, maio 29, 2024
HomeColunasArtigoInovação: o argumento financeiro para manter a floresta em pé

Inovação: o argumento financeiro para manter a floresta em pé

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

Caso você tivesse que selecionar uma foto que melhor representasse o progresso, qual dos cenários escolheria: uma cidade repleta de edifícios, fábricas, viadutos e automóveis, ou uma imensa floresta? Talvez, há 30 anos, as pessoas em geral optassem pela imagem urbana. Hoje, temos maior consciência de que o modelo tradicional pode nos levar ao esgotamento. A floresta, portanto, deixa sua mera condição de esquecido ponto de origem para se tornar o nosso próximo destino.
Um destino sustentável, acima de tudo. E isso requer das empresas uma revisão de processos e metodologias, adaptação de produtos, capacitação de pessoas, criação de maneiras diferentes de utilizar e reaproveitar recursos, substituição de matérias-primas e abertura de espaço na cultura para a mudança. Há situações em que a única forma de acessar a floresta com sucesso se dá por meio da inovação. E ser inovador compensa, inclusive, para o crescimento econômico.
De acordo com o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), com 20% de toda a biodiversidade do mundo, o Brasil tem potencial de gerar US$ 17 bilhões a partir de negócios com base na natureza até 2030. Números que nos colocam como o grande player mundial da bioeconomia, em condições de ajudar as empresas a alcançarem suas metas ESG.
A forte demanda pós-pandemia ou mesmo os efeitos das condições climáticas mostram que a escassez de um simples insumo dá chance a inviabilizar uma atividade inteira. Soluções baseadas na Natureza (SbN) têm a capacidade de diversificar fontes, reduzindo a dependência de itens, amenizar custos logísticos e até melhorar margens. O custo de inovar é considerado alto, mas imagine o custo de não inovar: pode ser o desaparecimento não apenas da sua empresa, mas de todo um setor. E, na pior das possibilidades, do planeta.
Um dos maiores desafios dessas soluções é que nem sempre há um modelo econômico a ser seguido. Diferenças de contexto, estrutura regulatória, recursos, disponibilidade de dados, infraestrutura e ausência de abordagens anteriores para gerenciar risco são alguns obstáculos. Além disso, o prazo de retorno sobre o investimento para SbN pode ser longo e incerto, dependendo da categoria a que a empresa pertence.
Essas barreiras não são empecilhos para evoluir. O estudo mais recente da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), por exemplo, aponta a existência de cerca de 180 cleantechs no país, negócios que buscam eliminar impactos ecológicos negativos em segmentos como ar e meio ambiente, energia limpa, transporte e agricultura. Globalmente, de acordo com uma rede de pesquisa da Universidade de Ottawa, no Canadá, a previsão é que nos próximos sete anos haja um investimento de US$ 3,6 trilhões nesse tipo de inovação.
Nas soluções baseadas na natureza, os objetivos vão além dos comerciais e de negócio. Envolvem metas conectadas a propósitos e ideais, articuladas com outros setores e entidades, muitas vezes ligadas a organismos internacionais e certificações de qualidade. Elas promovem o encontro da eficiência organizacional com as exigências cada vez maiores dos acionistas e as expectativas da sociedade.
As SbN não trazem apenas maior eficiência operacional e de processos, nem somente diferenciais competitivos. Essas soluções impactam diretamente na reputação, na marca e no próprio valuation da companhia. Um caminho fundamental para manter a floresta em pé, os oceanos “deitados”, os rios no seu caminho e as geleiras na mesma posição. Um mundo acolhedor e de negócios mais perenes.

*Felipe Novaes – sócio e cofundador da The Bakery, empresa global de inovação corporativa

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar