18.1 C
Contagem
quarta-feira, maio 29, 2024
HomeColunasArtigoMartírio e Emancipação

Martírio e Emancipação

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

por *Wagner Dias Ferreira

A humanidade registrou desde sempre a passagem do tempo com algum tipo de referência: as fases da lua. O subir e descer da maré. As estrelas. O sol. Até hoje é preciso ver relógios solares ajudando a marcar a passagem do tempo ao longo do dia. Mesmo que com características meramente ornamentais.
O registro do tempo que denominamos ano também foi sofrendo variações conforme melhorava nossa percepção dos fenômenos astronômicos.
Dezembro tornou-se um mês cheio de significação no ano. Esse é o mês que fecha os 12 meses do ano. Nele, é iniciado o verão no hemisfério sul e o inverno no hemisfério norte. Foi também no mês de dezembro que a antiguidade cristã optou por colocar o aniversário de Jesus. Mesmo todos sabendo pelas descrições bíblicas do período em que Jesus nasceu indicando que o mais provável é que ele tenha nascido na primavera ou verão do hemisfério norte.
Independente disso, a data escolhida e universalmente aceita fixa em dezembro esse momento.
Com isso, o fim de ano é aproveitado por todos para uma avaliação do período que se conclui e planejamento do que se inicia.
Neste sentido, é importante o registro de que a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Minas Gerais esteve envolvida ao longo do ano de 2022 com dois trabalhos importantes e muito significativos para toda nação brasileira e que permitem à Comissão uma avaliação muito positiva de sua participação e aproveita muita energia para planos.
Ao longo de 2022, a CDH/OAB-MG foi instada a promover a participação da OAB/MG como amicus curiae no processo que tramitava perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos em São José da Costa Rica, com a denominação de Caso Sales Pimenta, referente ao martírio sofrido pelo jovem advogado Gabriel Sales Pimenta, nascido em Juiz de Fora e formado em Direito na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora, atuando na cidade de Marabá/PA, foi morto por defender trabalhadores rurais garantindo a permanência destes e seus familiares nas terras que já ocupavam há anos, evitando a grilagem de um latifundiário.
Um verdadeiro martírio contemporâneo.
Da mesma forma, a Comissão de Direitos Humanos foi instada a atuar em um primeiro Júri que visava julgar participantes na morte do Vereador e Sindicalista Hamilton Moura. Hamilton sempre teve uma atuação intensa em favor da organização dos trabalhadores de transporte e de múltiplos ambientes da sociedade civil, visando sempre a emancipação das pessoas e grupos sociais para que se tornassem protagonistas de sua própria história e responsáveis pela manutenção de suas conquistas humanitárias e civilizatórias.
Também um martírio pós-moderno.
Nesse júri, a CDH/OAB-MG prestou o seu apoio, apesar de não ter atuado diretamente, sendo os acusados condenados. Pela brilhante atuação do advogado, que figura como Assistente do Ministério Público.
Em dezembro, também foi assinada a Declaração Universal dos Direitos Humanos 74 anos atrás. E em comemoração a esta data a CDH/OAB-MG teve a oportunidade de realizar uma Celebração Inter-Religiosa envolvendo lideranças Cristãs Evangélicas, um Padre Católico e lideranças do Candomblé. Onde foi possível ver lado a lado o irmão do mártir Gabriel e o irmão do Mártir Hamilton. E aqui a palavra mártir, nascida no ambiente religioso, permite, mesmo afastando a força religiosa que ela carrega, buscar mais uma mística livre para ligar essas mortes a uma significação da defesa de direitos humanos, em ambos os casos.
Neste sentido, liberam a energia necessária para os vivos se movimentarem no sentido de mudar a realidade permitindo que defensores de direitos humanos possam prosseguir no cumprimento de seu múnus sendo valorizados e protegidos, tendo agora como um importante instrumento a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, para que conduzam toda a nação brasileira a um protagonismo emancipatório em relação aos direitos humanos.
Gabriel Pimenta e Hamilton Moura, Presentes!

* Advogado Criminalista e Vice-Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MG

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar