24.4 C
Contagem
quinta-feira, junho 13, 2024
HomeColunasArtigoA velha guerra verbal do PT

A velha guerra verbal do PT

Date:

Matérias Relacionadas

Anny Kalessa para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

Meu nome é Anny Kalessa (@annykalessa), tenho 22 anos,...

Edição 1233 14 de Junho de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Marcha para Jesus acontece neste sábado

Para fortalecer os laços de união, amor e de...

Não caia no golpe da falsa cobrança

Alerta importante A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria...

Mais duas trincheiras na br 381

Mais mobilidade Contagem recebeu mais uma importante notícia que vai...
Ir para Criarteweb

“O pau que nasce torto não tem jeito, morre torto”. O popular ditado cai bem nesse momento sobre a cabeça dos dirigentes do PT. O novo governo nem começou e o Partido dos Trabalhadores volta ao palanque com seu verbo ácido e mal humorado, a confirmar o velho lema que o tem distinguido ao longo de três décadas de existência: “se haygobierno, soy contra”. Assim pensa: “o único governo que prestou e deve ser reconhecido como o melhor do país em todos os tempos foi o nosso”. Não há como argumentar com mentes empedernidas que se acostumaram a repetir mantras nas ruas e nas praças para louvar as “vestes imaculadas” de um corpo enlameado nos dutos do mensalão e do petrolão.
O PT não desce do pedestal. Na noite da derrota, Fernando Haddad fez questão de inverter a aritmética, elevou aos píncaros da glória seus 47 milhões de votos, convocou a militância para resistir e não ter medo, avocando-se como o professor-guerreiro “que não foge à luta, nem teme quem adora a liberdade à própria morte”. A ferocidade petista voltou à garganta de Gleisi Hoffmann. Certamente como deputada desfilará, logonoprimeira dia da legislatura, o dicionário raivoso com que o PT construiu o apartheid tão conhecido como o “Nós e Eles”.
A democracia, como todos sabem, pressupõe o jogo dos contrários. O embate de ideias entre protagonistas é salutar para a construção de um sistema em que a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa, o direito à livre associação, o direito de locomoção, o livre exercício dos cultos religiosos constituem, entre outros, pilares fundamentais. Esse é o cerne da nossa Lei Maior, a Constituição de 88, para a qual o PT, aliás, deu as costas por ter se recusado a assiná-la. Convém lembrar que, no início da redemocratização, o partido não votou em Tancredo Neves para presidente, não apoiou Itamar Franco no governo de transição e nem o Plano Real, que deu estabilidade à moeda.

Uma viseira histórica estreitou o olhar dos dirigentes petistas. Que sempre cultivaram o conceito de que no Brasil há uma banda sadia, a deles, e uma banda podre, o resto. O feitiço acabou virando contra o feiticeiro. O PT perdeu o pleito na esteira da dualidade que cultivou. E que, infelizmente, voltará a cultivar, haja vista a disposição já manifesta dos próceres petistas em fazer “oposição por oposição”. Ocorre que boa parte dos partidos que se alinham no centro-esquerda do arco ideológico não mais perfilará ao lado do PT, como é o caso de Ciro Gomes e seu PDT.

O petismo tem condições de adensar o oposicionismo no país, caso o governo Bolsonaro seja um fracasso. A recíproca é verdadeira. Se ganhar aplausos gerais, a administração comandada pelo capitão reformado do Exército queimará o estoque de força que o PT ainda detém. Urge esperar. Tentar voltar às ruas com mobilizações e discurso crítico, sem ver resultados das ações a serem empreendidas, é um risco. Que poderá ser evitado caso o partido se dedique a uma intensa reflexão interna, capaz de apontar erros cometidos e definir rumos a seguir. As alas que integram o PT estarão medindo forças para escolher os interlocutores dos próximos tempos. Se a verborragia azeda de Hoffmann persistir, sob a bandeira do “Lula livre”, é possível prever o acirramento dos ânimos sociais.

O país carece de abrir horizontes mais claros. Espera-se do novo governante uma palavra moderada, um verbo mais acolhedor, sob o compromisso de respeito aos princípios constitucionais. A linha divisória que racha o país ao meio vai ser mais forte ou mais tênue caso os extremos contenham o ímpeto de seus ataques. O Brasil não merece viver sob eterna campanha de luta pelo poder. Há demandas prementes que podem ser atendidas, principalmente nas áreas da saúde, segurança pública, educação e mobilidade.

Enxugar a máquina administrativa, promover as reformas fundamentais – previdenciária, tributária, política – fazer crescer o número de empregos, adotar a meritocracia, melhorar a autoestima dos brasileiros, enfim, expandir o Produto Interno Bruto da Felicidade – são desafios que devem receber o apoio de todos, partidos e lideranças. Ser contra apenas para ganhar visibilidade e, mais adiante, voltar ao poder é fazer politicagem, não política no sentido aristotélico de servir à polis.
É hora de lembrar a lição do Barão do Barão do Amazonas, vencedor da Batalha Naval de Riachuelo: “O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever”.

Gaudêncio Torquato – jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação – Twitter@gaudtorquato

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar