15.9 C
Contagem
domingo, junho 16, 2024
HomeCadernosCidadeRevitalização da Cidade Industrial

Revitalização da Cidade Industrial

Date:

Matérias Relacionadas

Anny Kalessa para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

Meu nome é Anny Kalessa (@annykalessa), tenho 22 anos,...

Edição 1233 14 de Junho de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Marcha para Jesus acontece neste sábado

Para fortalecer os laços de união, amor e de...

Não caia no golpe da falsa cobrança

Alerta importante A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria...

Mais duas trincheiras na br 381

Mais mobilidade Contagem recebeu mais uma importante notícia que vai...
Ir para Criarteweb

A prefeitura de Contagem, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Sedecon/Cinco), está elaborando uma proposta de ação integrada, detalhando o programa de revitalização do Distrito Industrial Juventino Dias. O projeto será apresentado brevemente à Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e ao setor empresarial.

É um planejamento integrado detalhando as ações, inclusive o que compete a prefeitura e como ela pode se articular,

explicou o secretário Renê Vilela, destacando que a proposta vem complementar o plano que estabelece ações mais genéricas apresentado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL) – entidade que elaborou os estudos que geraram o plano de revitalização do Juventino Dias.

Ele observou que a revitalização é essencial para reter as indústrias em Contagem, viabilizar alternativas de expansão e criar condições para implantação de outros empreendimentos que ajudem a diversificar e dinamizar a economia do município.
Desafios – Os investimentos previstos pela Codemig para o programa de revitalização, que envolve outros 12 distritos industriais selecionados pelo Governo de Minas Gerais como prioritários no Programa de Revitalização e Modernização de Distritos Industriais, são de aproximadamente R$ 30 milhões. Recursos insuficientes, segundo Vilela, uma vez que somente o projeto de intervenção no Córrego Ferrugem, para implantação das bacias de contenção de cheias, está estimado em R$ 150 milhões de reais.
“O município não tem condições de assumir sozinho a responsabilidade por estes investimentos. O prefeito Alex de Freitas esteve no Ministério das Cidades e estamos dialogando com a Copasa e com a Secretaria de obras do Estado, buscando recursos federais para a retomada das obras de controle de cheias”, disse.
Vilela destacou que a Cidade Industrial, cuja jurisdição está a cargo do Governo do Estado, sofreu ao longo das últimas décadas um processo acentuado de degradação de sua infraestrutura e deteorização das condições urbanísticas e ambientais.

Temos ali problemas que causam danos a grandes indústrias, como as inundações, recentemente potencializados pela trincheira do Itaú, construída sem a implantação das bacias de contenção do Córrego Ferrugem, destacou.

Além disso, a região convive com problemas como saturação de algumas indústrias que podem deixar o município por falta de áreas para expansão, deteriorização da malha viária, ocupação urbana irregular, falta de revitalização ambiental e violência. De acordo com o Secetário, atualmente estão registradas no Distrito Industrial Juventino Dias, 105 indústrias de médio e grande porte e cerca de 400 de menor porte.
Jurisdição – Segundo Vilela, a prefeitura está retomando as negociações com a Codemig para transferência da jurisdição do Distrito Industrial Juventino Dias para Contagem, ressalvando o município das obrigações relativas a ações judiciais que não são de sua responsabilidade. É que uma ação indenizatória dos herdeiros dos proprietários da fazenda onde foi implantado o distrito já está em cerca de R$ 2 bilhões.
A desapropriação aconteceu em 1941, no governo Benedito Valadares e o processo começou a correr em 1953. Estima-se que 437 mil m² pertencentes às famílias Abreu e Hilário foram usadas para a construção da Cidade Industrial.

Força Tarefa analisa e libera centenas de processos

Um grupo formado por funcionários das secretarias municipais de Contagem, está fazendo a revisão de toda a legislação, desburocratizando e implantando procedimentos unificados na administração municipal.

Já no segundo semestre inauguraremos o sistema informatizado,
a exemplo do implantado em Belo Horizonte, adiantou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Renê Vilela.

Esta força-tarefa realizou também um inventário de todos os processos que estavam acumulados nas secretarias e conseguiu analisar e liberar centenas de procedimentos. “Com este trabalho, a prefeitura visa mudar também o ambiente de negócios no município, uma vez que o poder público sempre foi visto como um grande entrave, com burocracias excessivas, falta de regras claras, morosidade na análise dos processos autorizativos de licenciamento, e alvarás, por exemplo” destacou o secretário.
Além disso, um comitê executivo criado e presidido pelo prefeito Alex de Freitas e que reúne todas as instituições que têm atribuição legal em autorizar atividades empresariais em Contagem, fez um levantamento sobre a situação dos mais de cem grandes projetos que estavam travados na administração. “Este esforço da prefeitura agindo a luz da legislação, mas tornando os atos administrativos mais céleres e transparentes, tem propiciado que estas grandes indústrias renovem sua disposição de permanecer no município”, observou Vilela.

Vargem das Flores pode abrigar indústrias

Mesmo com esforço do comitê executivo e da força-tarefa formada por funcionários da prefeitura em desburocratizar os procedimentos e rever a situação de vários projetos de indústrias que estavam parados na administração, Contagem corre o risco de ver grandes empresas saírem do município por falta de áreas para expandir seus negócios. Um problema que, segundo o secretário Renê Vilela, pode ser solucionado com a utilização de áreas da região de Vargem das Flores.
“Durante décadas Contagem conviveu com um discurso oficial e uma prática informal com relação a Vargem das Flores”, observa ao destacar que nos últimos 15 anos, o governo do Estado e o poder público disseram que o território, que corresponde a 55% de todo o município, teria que ser preservado para proteger a Mata Atlântica e garantir os mananciais de água da represa, o que não aconteceu, tendo em vista a situação ambiental precária daquela área.

O que vimos, comparando imagens de satélite dos últimos 20 anos, é que praticamente 70% da Mata Atlântica foi dizimada e que 45 núcleos ilegais de
ocupação urbana se estabeleceram no local; sem saneamento básico,
infraestrutura, segurança, escolas e posto de saúde.

Segundo o secretário, será realizado um levantamento para se estabelecer prioridades para recuperar o que resta daquele patrimônio, melhorando as condições ambientais e hídricas. “Faremos isto elaborando um arranjo produtivo para Vargem das Flores, em que as grandes indústrias que estão para deixar o município, por não ter para onde se expandir, possam se instalar ali, liberando as áreas onde estão instaladas atualmente para outras atividades econômicas e implantação de um Polo Logístico Habitacional de serviços público. Essa experiência de promoção do desenvolvimento em base ambiental e socialmente sustentável que estamos trazendo para Contagem é um modelo bem-sucedido em diversas regiões do Brasil e do mundo” afirmou.

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar