19.3 C
Contagem
domingo, maio 26, 2024
HomeCadernosGeralA criança precisa entender a morte e expor seu luto

A criança precisa entender a morte e expor seu luto

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

O momento atual, de violência e ataques em escolas e creches, nos coloca diante de um estado de impotência, seja pela segurança dos nossos filhos como pelo impacto que estes episódios causarão no emocional deles. Se para os adultos já é algo inconcebível, imagine para uma criança, principalmente pelo fato de elas enxergarem a escola como uma segunda casa, como um ambiente em que elas se sentem seguras e acolhidas. Pior ainda para aquelas que vivenciaram alguma destas tragédias e viram colegas e professores sendo mortos. A partir daí, o mundo da forma como elas conhecem deixa de existir. Daí a importância de falar e ouvir, e jamais se esquivar, se omitir ou mentir. Minimizar o que aconteceu fará com que a criança crie pensamentos distorcidos e incompatíveis com a realidade, gerando consequências no desenvolvimento psíquico infantil.

Como falar sobre perdas

A pessoa que irá conversar com a criança deve ser referência de vínculo, de confiança, que tenha o olhar acolhedor, a escuta atenta e a aceitação das reações. Isso é fundamental para que ela consiga processar as informações com total liberdade para exteriorizar suas emoções.
Vale lembrar que as crianças não devem ser rotuladas como incapazes de lidar com uma perda. Apenas use o bom senso conforme a idade. Com os pequenos, é preciso adotar uma linguagem de acordo com seu nível de compreensão.
Crianças de até 3 anos não conseguem entender tão claramente o que é a morte, tampouco quando envolve tragédias. O ideal é fazer uma sondagem antes. Pergunte se ela entende o que está acontecendo, até para você saber o que falar, como falar e evitar expor além do que for necessário. A partir de 11 ou 12 anos, há um nível de compreensão maior sobre alguns acontecimentos.
Independentemente da idade, dê espaço para seu filho tirar suas dúvidas. Comece com fatos básicos, descubra o que ele sabe e pensa, para decidir o quanto de informação ele tolera. Nem todas as crianças suportam muitos detalhes.
Nunca associe morte com sono ou viagem – Jamais invente histórias do tipo: “ele dormiu, descansou” ou “viajou para bem longe”. As crianças entendem as frases exatamente como são ditas, e isso pode repercutir negativamente no cotidiano.
A criança terá a ilusão de que a pessoa que morreu está apenas dormindo e vai acordar a qualquer momento. Ou, ao contrário. Achar que alguém vai dormir e não acordar mais, o que pode comprometer o seu próprio sono. Ela também pode passar a deduzir que todo mundo que viaja não volta mais, e começar a ter crises cada vez que o pai ou a mãe viajarem a trabalho, por exemplo.
Outra história que costuma ser contada é que a pessoa virou uma estrelinha. Imagine a criança olhar para o céu e pensar que todas as estrelas são pessoas mortas?

Não esconda seus sentimentos

Não queira passar a imagem de que está tudo bem. Ao contrário, exponha suas emoções e chore, se tiver vontade. Isso fará a criança perceber que seu próprio sentimento é normal. Demonstre que, assim como seu filho, você também está muito triste, e permita que ele fale sobre o que está sentindo e pensando.
A criança deve ir a velórios ou enterros? – Não se deve forçar, mas a criança pode se beneficiar de participar junto com os adultos. Os rituais servem para que todos vivenciem melhor a despedida, inclusive os pequenos. Os especialistas concordam que velórios e enterros não traumatizam as crianças.
Explique muito bem antes como é o velório ou o enterro, e pergunte se ela quer ir. A criança precisa saber antes que será triste, e que muitas pessoas estarão chorando. Não decida pela criança que ela deve ficar de fora, mas também não a obrigue a ir se ela não quiser, e não deixe que se sinta culpada se não for.

Apoio é fundamental

Devemos entender também que o luto é um processo, e não um evento. Isso quer dizer que demanda tempo, e cada criança precisará do seu para superar a perda. Pressionar a criança para voltar à vida normal, sem dar o tempo necessário, implicará em outros problemas ou reações negativas.
É natural que seu filho apresente mudanças de comportamento, como choro fácil, episódios de raiva, agitação e medo de ir à escola. No começo, deixe-o se manifestar como preferir, sem julgamentos. Há quem prefira chorar e gritar. Outros, precisam de solidão e silêncio para absorver as informações. Permita que seu filho experimente as emoções conforme seu temperamento, mas sempre ficando por perto.
Quando procurar ajuda profissional? Em casos de raiva ou hostilidade excessivas, ou quando a criança não expressa nenhum luto, ou em casos de depressão ou ansiedade que interferem nas atividades diárias, durando semanas ou meses. Se chegar a este ponto, crie uma rede de apoio com a escola e com profissionais de psicologia e/ou psiquiatria.

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar