25.9 C
Contagem
domingo, maio 26, 2024
HomeCadernosGeralO Álcool é o vilão

O Álcool é o vilão

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

Nas férias, as pessoas viajam mais e acabam exagerando nas doses, sem a conscientização de que álcool e direção não combinam. Resultado, o número de acidentes aumenta consideravelmente, principalmente na festa de Ano Novo.
Segundo a neurologista e membro da Academia Brasileira de Neurologia, Maria Fernanda Mendes, toda equipe que fica de plantão em pronto-socorro está ciente de que a noite de Reveillon é recorde de atendimento e metade das ocorrências transcorre do excesso de álcool. Acidentes de trânsito, pessoas embriagadas que estimulam brigas e outras em estado de coma alcoólico, várias são as causas que levam indivíduos a lotar os hospitais neste período do ano.
A bebida alcoólica no organismo provoca intoxicação e o hábito de “tomar apenas uma latinha” todos os dias é um sinal de alerta. Imperceptível a muitos, o desejo de consumir álcool diariamente já pode ser um vício. Culturalmente aceitável, a busca do prazer e do relaxamento que a ingestão de cerveja, vinho, whisky pode causar, seja em um happy hour com os amigos do trabalho ou mesmo em casa, pode representar um hábito fatal.

A gra­vi­da­de está na falta de con­tro­le

Os pais tam­bém pre­ci­sam estar aten­tos por­que desde a ado­les­cên­cia a inges­tão de ­álcool é per­ce­bi­da e a gra­vi­da­de está na falta de con­tro­le. Os ado­les­cen­tes e ­jovens bebem dema­sia­da­men­te além de seus limi­tes e aca­bam come­ten­do atos indig­nos. Mas qual o limi­te para beber com mode­ra­ção? Segun­do a Dra. Maria Fer­nan­da a resis­tên­cia ao ­álcool depen­de do sexo, peso, quan­ti­da­de de gor­du­ra no corpo, se a pes­soa pra­ti­ca ou não exer­cí­cios físi­cos, se não está em jejum e ainda se faz uso de algu­ma medi­ca­ção. Em geral, acima de duas doses de bebi­da des­ti­la­da, cujo grau de ter alcoó­li­co é ele­va­do, já é con­si­de­ra­do exces­so.
E por­que a bebi­da alcoó­li­ca alte­ra os refle­xos de uma pes­soa? A neu­ro­lo­gis­ta expli­ca que o ­álcool é ini­bi­dor do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral. “É como se tomás­se­mos um cal­man­te para dor­mir. Quan­do bebe­mos, nosso cen­tro de res­pos­ta e nossa per­cep­ção atra­sam, fica­mos em esta­do de rela­xa­men­to”, infor­ma. Por isso, as pes­soas têm a sen­sa­ção de pra­zer e dizem “estar ale­gres”.
A ale­gria momen­tâ­nea, no entan­to, pode se trans­for­mar numa pro­fun­da tris­te­za se o con­su­mo de ­álcool não for mo-dera­do. A bebi­da mata de qual­quer forma – rapi­da­men­te ou vaga­ro­sa­men­te. O risco de o alcoó­la­tra ­sofrer um aci­den­te, mor­rer e ainda matar ­outras pes­soas é enor­me, mas as con­se­quên­cias que este indi­ví­duo pode tra­zer às víti­mas de tra­gé­dias oca­sio­na­das pelo ­álcool são ainda mais ­sérias e trau­má­ti­cas.
Meta­bo­lis­mo – O exa­ge­ro da bebi­da alcoó­li­ca no orga­nis­mo causa, além de pro­ble­mas no fíga­do, perda de massa mus­cu­lar e défi­cit da vita­mi­na B12, que pode levar o indi­ví­duo à ane­mia sem per­ce­ber, por ser uma doen­ça silen­cio­sa. A B12, encon­tra­da em ali­men­tos como a carne ver­me­lha, prin­ci­pal­men­te no fíga­do, é essen­cial para o fun­cio­na­men­to nor­mal do meta­bo­lis­mo de todas as célu­las, espe­cial­men­te das do intes­ti­no, medu­la óssea e do teci­do ner­vo­so.
A médi­ca Maria Fer­nan­da salien­ta que uma pes­soa que já adqui­riu o hábi­to de beber todos os dias deve pro­cu­rar mudar sua roti­na e se não con­se­guir fazê-lo sozi­nha, pro­cu­rar urgen­te um clí­ni­co geral, expli­car a situa­ção e fazer os exa­mes e acom­pa­nha­men­tos neces­sá­rios para ava­liar o que o ­álcool já cau­sou em seu orga­nis­mo. Se o caso de depen­dên­cia for grave, bus­car ajuda de um psi­quia­tra é o cami­nho mais apro­pria­do.

Últimas Matérias

spot_img
Artigo Anterior
Próximo Artigo
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar