terça-feira, 16 julho

    A nova ágora – edição 1136

    Matérias Relacionadas

    Ester Emanuelle para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

    Meu nome é Ester Emanuelle(@esterr_soares_), tenho 23 anos, sou...

    Edição 1235 28 de Junho de 2024

    Edição Online da Edição 1234 do Jornal de Contagem Pop Notícias

    Lula visita obras da Av. Maracanã

    O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,...

    Campeonato Brasileiro Júnior e Elite

    Os atletas do projeto de Ginástica de Trampolim de...

    Prêmio Internacional: Contagem participa de eleição

    Contagem está participando do 18º Prêmio "Boas Práticas em...

    Compartilhar

    Em artigo do jurista Luiz Flávio Gomes, ao comentar manifestação de desapontamento de articulista de um jornal dedicado à Economia com a cultura política brasileira, deu-lhe razão. De acordo com eles, as redes sociais estão, até agora, cumprindo “um ridículo e inócuo papel. Ideias e projetos para a sociedade se definham e se perdem em debates estéreis, polarizados e partidarizados”.

    Os cientistas sociais já definiram, com real clareza, que a internet é a nova ágora – praça pública, segundo os gregos – onde podem e devem ser discutidas e debatidas as grandes questões políticas e administrativas da nação. O que o jurista chama de Democracia Direta Digital se apresenta como caminho viável para fortalecer a cambaleante e corrupta democracia.

    Identificado o problema, o brasileiro odeia discutir suas ideias, expor suas ignorâncias. Talvez por isso se sinta tanta falta de debate nos parlamentos brasileiros, especialmente os municipais. Há a convicção de que o brasileiro prefere morrer com sua ignorância – ou suas ideias – a ceder um milímetro. Herança de um autoritarismo que só alimenta o medo de que o debate sirva de palco para o ignorantismo. É preferível a exploração da ignorância alheia, onde o mais astuto pode manipular o ignorante. Demagogias à parte, o debate público não passa de manipulação.

    É verdade que a mudança se faz necessária, assim como o fato de que o brasileiro não tem formação cultural para o debate. As reações diante de afirmações como a de que o brasileiro não sabe votar só fazem confirmar a regra. Afinal, o aprendizado leva tempo. Custa, leva tempo, mas se aprende.

    Esse aprendizado envolve também o frequentar a ágora dos tempos modernos. Mais uma eleição se aproxima e o espetáculo que se pode antever, na utilização das redes sociais, é no mínimo preocupante, pois joio e trigo se misturam com uma facilidade ainda maior.
    O ódio espumante precisa ficar de fora para não aumentar ainda mais a cegueira envolvente. Em outras palavras, é preciso assegurar um debate de qualidade. Sem abrir mão das convicções políticas, mas reconhecendo que há decência de todos os lados de espectro partidário.

    Democracia é construção e não se faz com alcunhas pejorativas, nomenclaturas humilhantes, ações vingativas, desqualificação em bloco de pessoas boas que fazem um bom trabalho. Liberdade e respeito, ainda que tardios.

    spot_imgspot_img