sexta-feira, 19 julho

    Jovens de Contagem desenvolvem sistema que alerta autoridades e população sobre risco de enchentes

    Matérias Relacionadas

    STF decide que lei que criminaliza fake news é inconstitucional

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

    Instituto CircoLar forma e catapulta artistas circenses de Minas Gerais

    Inscrições para a Formação Profissional em Artes Cênicas, que...

    Compartilhar

    Como alternativa às fortes chuvas que castigaram Minas Gerais em 2020, alunos do SESI Alvimar Carneiro de Rezende, de Contagem, desenvolveram um projeto que promete preservar vidas em novos casos de enchentes. O sistema de alerta, batizado de Monitoramento de Zonas de Risco Inteligente (Metrol), funciona partir de sensores instalados nas galerias de águas pluviais e é um dos 100 selecionados para a etapa nacional do Torneio de Robótica FIRST LEGO League, que começa na sexta-feira (6), em São Paulo. 

    O Metrol tem dois sensores na mesma galeria, posicionados em alturas diferentes. Quando a água atingir o primeiro nível, mais baixo, será enviado um sinal para a Defesa Civil avisando que determinada área está em alerta. Ao atingir o segundo nível, considerado mais perigoso, será acionado um sinal sonoro e enviado um SMS para a população evacuar a região. 

    Segundo o aluno Diogo Gabriel de Sousa Silva, de 16 anos, um dos integrantes da equipe “Superação”, o primeiro lugar conquistado na apresentação do Projeto Inovação e o terceiro no Desafio do Robô na seletiva regional não devem ser levados em conta na disputa nacional.
    “Sabendo de todo esforço, quando apareceu nosso nome, vibramos demais. A primeira coisa que a gente pensou no dia seguinte da premiação foi trabalhar mais duro porque a gente sabe que no [torneio} nacional as equipes têm um nível mais alto. Se a gente quiser um resultado bacana, temos que melhorar sempre”, afirma o jovem.

    Nos torneios de robótica FLL, os competidores são avaliados em quatro categorias: Projeto de Pesquisa, Desafio do Robô, Design do Robô e Core Values. Os grupos utilizam um aplicativo disponibilizado pela LEGO, com uma linguagem em blocos. A construção do robô é a grande atração dos torneios, mas não é a única prova. Além de mostrar conhecimento técnico, domínio da tecnologia, os estudantes precisam mostrar trabalho em equipe e compartilhar conhecimentos e habilidades. 

    O professor de matemática e técnico da equipe, Guilherme Guimarães Laborão, garante que os alunos continuam em preparação até a próxima semana para aprimorar o desempenho e o trabalho em equipe. “Se a equipe não estiver engajada, se não tiverem todos caminhando na mesma direção, a equipe não tem êxito. Eles precisam perceber que cada um é uma engrenagem importante do sistema e, se uma não funciona bem, o sistema todo fica comprometido”, pondera o técnico.
     

    A competição  A etapa nacional do Torneio de Robótica FIRST LEGO League reunirá 100 equipes de todo o Brasil, formadas por estudantes de 9 a 16 anos. A ideia é promover disciplinas, como ciências, engenharia e matemática, além da sala de aula. Este ano, os competidores terão que apresentar soluções inovadoras para melhorar, por exemplo, o aproveitamento energético nas cidades e a acessibilidade de casas e prédios.

    O diretor de Operações do Departamento Nacional do SESI, Paulo Mol, ressalta que a elaboração dos projetos estimula a autonomia e o trabalho em equipe e contribui para a formação profissional dos alunos. “A questão do empreendedorismo é a base de todo o processo. Nesse torneio, uma das avaliações que é extremamente importante é a capacidade de empreender, de buscar coisas novas, de fazer com que o produto seja desenvolvido”, atesta.

    spot_imgspot_img