quinta-feira, 18 julho

    Índice de criminalidade

    Matérias Relacionadas

    STF decide que lei que criminaliza fake news é inconstitucional

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

    Instituto CircoLar forma e catapulta artistas circenses de Minas Gerais

    Inscrições para a Formação Profissional em Artes Cênicas, que...

    Compartilhar

    Minas Gerais alcançou os menores índices de criminalidade violenta dos últimos oito anos. O estado teve o melhor primeiro semestre em número de registros de crimes violentos desde o ano de 2012 – quando a atual metodologia de medição de violência foi implantada, com a disseminação do Registro de Eventos de Defesa Social (Reds), antigo boletim de ocorrência, para todas as regiões mineiras. Os números foram apresentados nesta quarta-feira (17/7) pelo governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e representantes das forças de segurança.
    As estatísticas de crimes violentos contemplam registros realizados pela Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros e são formadas pelos seguintes crimes: homicídios consumados e tentados, roubos, estupros tentados e consumados, estupros de vulnerável tentados e consumados, extorsão mediante sequestro e sequestro e cárcere privado.
    O resultado do primeiro semestre de 2019 é 26,8% menor que o do mesmo período no ano passado, com 12.608 crimes a menos nos seis primeiros meses deste ano no estado. A redução chega a 53% quando é avaliada em relação ao pico da criminalidade violenta em Minas, ocorrida em 2016 (38.748 crimes a menos ocorridos em seis meses). Também pode-se afirmar que Minas Gerais retrocedeu a índices de criminalidade violenta menores que os do ano de 2012, com 2.371 crimes a menos neste semestre que os ocorridos naquele ano.
    Trabalho integrado – Para o governador, o bom resultado é fruto de um trabalho integrado entre as forças de segurança. “Isso tem muito a ver com uma boa gestão. Hoje, nós temos uma integração entre todas as forças de segurança, coisa que, de certa maneira, no passado, não havia com a intensidade que nós temos hoje. É a Polícia Civil, é o Corpo de Bombeiros, é a Polícia Militar, é o Sistema Prisional, todos trabalhando em conjunto, trocando informações com sincronismo. Isso gera um ganho enorme”, afirmou.

    spot_imgspot_img