sábado, 13 julho

    Ainda eleições!

    Matérias Relacionadas

    Ester Emanuelle para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

    Meu nome é Ester Emanuelle(@esterr_soares_), tenho 23 anos, sou...

    Edição 1235 28 de Junho de 2024

    Edição Online da Edição 1234 do Jornal de Contagem Pop Notícias

    Lula visita obras da Av. Maracanã

    O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,...

    Campeonato Brasileiro Júnior e Elite

    Os atletas do projeto de Ginástica de Trampolim de...

    Prêmio Internacional: Contagem participa de eleição

    Contagem está participando do 18º Prêmio "Boas Práticas em...

    Compartilhar

    Falta pouco. Na realidade, faltam menos de três dias para que o eleitor brasileiro volte às urnas para eleger o próximo presidente da República. Em treze estados e no Distrito Federal, vão escolher também os governadores, já que a definição não foi possível em primeiro turno.

    Domingo, 28 de outubro, o eleitor terá que voltar às urnas para confirmar o voto dado no primeiro turno ou para fazer uma nova opção, entre o petista Fernando Haddad ou o capitão da reserva do Exerito Brasileiro, Jair Bolsonaro, (PSL), que durante a campanha deste segundo turno, nada mais fizeram que atacar um ao outro; que desqualificar o oponente; que tentar transformar versões em verdades absolutas.

    Nas ruas, nas rodas, ouvia-se de tudo, dependendo das cores partidárias de cada emissor. O melhor plano tem o pior candidato e o melhor candidato tem o pior plano. A terceira via seria a solução. O brasileiro deveria anular o voto para mostrar que todos os candidatos são ruins, não têm propostas, apenas interesses. Talvez assim anularíamos a eleição e a Justiça Eleitoral teria que convocar um novo processo. Doce ilusão.

    Militantes mais vorazes se engalfinharam, se agrediram moral e fisicamente para atacar/defender seu candidato.

    Enquanto isso, eles, suas senhorias, os candidatos – claro que seus assessores pagos a peso de ouro – faziam o mesmo, sem sujar as mãos de sangue, sem derramar lágrimas, sem transpirar. Acusar, maltratar, agredir, desmascarar e tantos outros verbos conjugados à força. Tudo pelo poder.

    E mais uma vez – não pode ser diferente nunca – o que se pede é que o eleitor compareça às urnas, faça uma escolha consciente, exercite o seu direito de escolher, pois com isso estará preservando e valorizando uma de nossas maiores conquistas, a democracia. O povo brasileiro pode até errar ao escolher este ou aquele candidato, mas não pode se permitir pecar pela omissão, que o comodismo entregue o poder a quem não merece, a quem não vai olhar para a imensa população brasileira e ali enxergar pessoas, seres humanos, gente de bem. Façamos a nossa parte. O Brasil agradecerá.

    spot_imgspot_img
    Artigo anterior
    Próximo artigo