quarta-feira, 24 julho

    “Agora e Para Sempre”

    Matérias Relacionadas

    STF decide que lei que criminaliza fake news é inconstitucional

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

    Instituto CircoLar forma e catapulta artistas circenses de Minas Gerais

    Inscrições para a Formação Profissional em Artes Cênicas, que...

    Compartilhar

    Para Ronaldo Fraga, diretor criativo da próxima edição do Minas Trend, semana mineira de lançamentos de moda promovida pela FIEMG – Federação das Indústrias de Minas Gerais, que acontece de 29 outubro a 1 de novembro, em Belo Horizonte, esse “trem”, cada vez mais inclusivo, democrático e tolerante, segue sua viagem até 2030. “Vamos pensar o Minas Trend daqui a 20 anos, como ele estará em 2030”, provoca Fraga para caracterizar o novo perfil criativo que deve pautar as próximas edições do evento.

    O momento é o de pensar de outro jeito. O evento para sobreviver, aliás, a moda para sobreviver, tem que ir além da roupa e, por isso, pensamos no Minas Trend para a próxima década. Em 2030, ao falarmos da 23ª edição, veremos que fizemos história e trilhamos caminhos onde ninguém antes havia pisado.

    De acordo com o estilista, este é o momento ideal para dar força à moda brasileira, destacando que o setor, apesar de ainda bastante importante para o PIB, já foi o 2º empregador do país, posição da qual vem se distanciando a cada ano. Para tanto, a semana de moda passa a refletir um perfil mais participativo e inclusivo, incentivando a adesão da população mineira.

    A cidade vai acompanhar e saber como será o próximo Minas Trend. Quando o cliente chegar em Confins, a cidade inteira estará pensando nele para vender roupas, serviços e o desejo de vir para esse lugar.

    Segundo ele, o tema dessa temporada – “Agora e para Sempre” -, faz alusão à indústria de moda – “a indústria do efêmero que, como nenhuma outra, consegue marcar época e ser inesquecível” -, lembrando que o Minas Trend, a partir de agora, pretende extrapolar a roupa, estabelecendo um diálogo com seu tempo, com a inclusão e a diversidade, para assim falar de criação. “Temos que abrir mão da imagem anglo-saxônica recorrente nos eventos até agora. Precisamos incluir, olhar para o Brasil, olhar para a gente”.

    spot_imgspot_img