sexta-feira, 12 julho

    Violência contra mulher

    Matérias Relacionadas

    Ester Emanuelle para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

    Meu nome é Ester Emanuelle(@esterr_soares_), tenho 23 anos, sou...

    Edição 1235 28 de Junho de 2024

    Edição Online da Edição 1234 do Jornal de Contagem Pop Notícias

    Lula visita obras da Av. Maracanã

    O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,...

    Campeonato Brasileiro Júnior e Elite

    Os atletas do projeto de Ginástica de Trampolim de...

    Prêmio Internacional: Contagem participa de eleição

    Contagem está participando do 18º Prêmio "Boas Práticas em...

    Compartilhar

    A audiência pública da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, na quarta-feira (21), começou com um minuto de silêncio pela morte de Marielle Franco, ex-vereadora do Rio de Janeiro assassinada no último dia 14 de março.

    Na reunião, realizada como parte da agenda de luta do Dia Internacional da Mulher, a educação e a participação efetiva das mulheres na política foram apontadas como saídas para combater “as várias violências” cometidas contra as mulheres, conforme enfatizou a deputada Marília Campos (PT).

    Para construir essa nova cultura, na opinião da deputada Marília Campos, é preciso um esforço de educação e de incentivo às mulheres, fazendo com que elas percam o medo e acreditem que são capazes de ocupar os espaços públicos e de poder.

    Precisamos de mais exemplos, de novos referenciais, de mulheres que ocupem postos de comando e possam ser vistas e seguidas, enfatizou.

    Marília Campos fez novamente um apelo para que seja aprovada a proposição que transforma a Comissão Extraordinária das Mulheres em comissão permanente na ALMG (PRE 49/17). Ela também destacou a necessidade de aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 16/15, que garante a presença de pelo menos uma representante do sexo feminino na composição da Mesa da Assembleia.

    spot_img