quinta-feira, 25 julho

    Existe mesmo alma gêmea?

    Matérias Relacionadas

    Compartilhar

    Quem não deseja encontrar sua alma gêmea?! Procura-se o par perfeito no olhar, no jeito, na conversa. E, a cada namorado (a), a certeza de que aquele é, finalmente, a outra metade. Mas, não é tão fácil assim, pois a dificuldade é saber, de verdade, se a pessoa que você está é ‘aquela’ pessoa que você tanto procurou (e esperou).
    De acordo com terapeuta Caio Zagnoli, especialista em Thetahealing e fundador do Portal Semente Quântica, em BH, ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, não existe apenas uma alma gêmea e sim várias.

    A alma gêmea não é a metade da laranja e sim duas pessoas completas que se encontram para somar uma a outra, sem gerar uma relação de dependência. O mais importante é se amar primeiramente, ou seja, ter amor próprio. Assim, não buscamos o outro por carência afetiva, mas sim pela vontade de compartilhar um amor que transborda.

    Alguns sinais podem indicar que você encontrou sua alma gêmea, segundo o especialista.

    O primeiro deles é a sensação ou o sentimento que você reconhece o parceiro (a) como se já houvesse uma conexão entre ambos. Além disso, a conversa também flui naturalmente e há uma conexão no campo físico, emocional, intelectual e espiritual. Se faltar a conexão em algum desses campos significa que se trata de alguém que faz parte da sua família de alma, ou seja, uma pessoa que você se identifica também, mas não para ser um parceiro (a), disse.

    Porém, ter uma conexão em todos esses níveis não significa ter uma relação perfeita. De acordo com Caio, ela pode sim ter desafios, mas as duas pessoas terão capacidade de enfrentar essas dificuldades para serem solucionadas, percebendo as diferenças um dos outros e se aceitarem. “Para conquistar uma relação saudável é importante que as duas pessoas estejam dispostas a usar a própria relação para crescer e se aprimorar como ser humano. Os desafios que surgirem servirão para levantar questões e bloqueios internos que ajudam no seu crescimento ao enfrentar aquela dificuldade, percebendo os seus próprios sentimentos. O mais importante é não negar essas questões internas e sim olhar para elas, mantendo a consciência”, garantiu.

    Como lidar com traumas passados

    Além disso, saber lidar com os traumas de outros relacionamentos quando se entra em um novo é fundamental. “Deve-se avaliar o que de positivo surgiu com essas “relações traumáticas”, focar no que aprendeu com determinada situação ao invés de pensar no que gerou o trauma, praticando isso na próxima relação”, afirmou o terapeuta.
    Ainda de acordo com o especialista, muitas pessoas buscam em uma relação o que o outro tem a oferecer para ela, mas esquecem de olhar o que ela tem a oferecer também. “Para elevar a nossa autoestima e se sentir mais seguro (a) é importante listar todas as qualidades próprias para que não se sinta tão dependente do outro. E saber o que é essencial no outro para você, não o que é supérfluo, mas sim valores que são importantes”, finalizou.

    Caio Zagnoli, especialista especialista em Thetahealing e fundador do Portal Semente Quântica, em Belo Horizonte (www.sementequantica.com).

    spot_imgspot_img