terça-feira, 16 julho

    Cais busca inclusão

    Matérias Relacionadas

    Ester Emanuelle para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

    Meu nome é Ester Emanuelle(@esterr_soares_), tenho 23 anos, sou...

    Edição 1235 28 de Junho de 2024

    Edição Online da Edição 1234 do Jornal de Contagem Pop Notícias

    Lula visita obras da Av. Maracanã

    O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,...

    Campeonato Brasileiro Júnior e Elite

    Os atletas do projeto de Ginástica de Trampolim de...

    Prêmio Internacional: Contagem participa de eleição

    Contagem está participando do 18º Prêmio "Boas Práticas em...

    Compartilhar

    O Centro de Atendimento e Inclusão Social (Cais) iniciou suas atividades em 1971, com o nome APAE para atender a 20 crianças com deficiência intelectual em Contagem, no modelo de educação especial como todas as instituições da época. Desde 2000, trabalha mais intensamente em defesa da inclusão, o que fez com que mudasse sua razão social e assumisse o nome CAIS. Hoje desenvolve vários programas tendo como missão a inclusão da pessoa com Deficiência na escola, no trabalho e na sociedade
    Instituição filantrópica, sem fins econômicos, o Cais foi instituída pela educadora e psicóloga Elza Kriemilda que trouxe em sua bagagem a experiência do trabalho desenvolvido com a Dra Helena Antipoff, educadora e psicóloga russa que inovou, nos anos de 1930, a educação especializada em MG e no Brasil. Com essa experiência, a preocupação em desenvolver um trabalho de qualidade e com cunho científico foi o grande diferencial desde a sua fundação.

    Nestes 46 anos, a instituição realizou diversas inovações. A primeira, marcante e com reconhecimento externo, ocorreu em 1997 na área da educação profissional, quando o programa já buscava a inserção no trabalho de pessoas com deficiência. Contribuiu para a formação de professores e a transformação da educação profissional especializada em todo o país, e até hoje é referencia para o Ministério do Trabalho, sendo o CAIS considerado um especialista nacional no emprego apoiado.

    A segunda inovação que teve reconhecimento nacional foi na área da inclusão escolar. A instituição foi pioneira na inclusão educacional de alunos com deficiência intelectual e autismo, desenvolvendo um novo modelo para a educação especial, diferente do modelo tradicional da escola especial e comum. Ao implementar o Atendimento Educacional Especializado (AEE), como uma ação complementar à da escola comum, definiu que os alunos frequentem um período na escola comum e o outro no AEE nas unidades do CAIS. Essa ação tornou-se referência para o MEC. Atualmente, o Cais atende a 521 crianças e jovens.

    spot_imgspot_img
    Artigo anterior
    Próximo artigo