quinta-feira, 18 julho

    Combate à Violência

    Matérias Relacionadas

    STF decide que lei que criminaliza fake news é inconstitucional

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

    Instituto CircoLar forma e catapulta artistas circenses de Minas Gerais

    Inscrições para a Formação Profissional em Artes Cênicas, que...

    Compartilhar

    A Comissão Extraordinária das Mulheres da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizou audiência pública em Contagem para discutir medidas para reverter a violência contra a mulher no município que se destaca em Minas em número de casos de feminicídio, como o da servidora pública Ludmila Leandra Braga, assassinada no mês passado na Câmara Municipal. Seu ex-companheiro foi identificado como o autor do crime.
    A criação de uma Vara Especializada de Combate à Violência Doméstica contra a Mulher na cidade, mais juízes auxiliares e maior união das instituições afetas ao problema foram as principais reivindicações feitas na audiência realizada na quarta-feira (13/6).
    Apesar de ocorrências como essas, e sem contar com uma vara de justiça especializada, o município não estaria sendo atendido a contento quanto à concessão de medidas protetivas solicitadas com base na Lei Maria da Penha, que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, conforme foi denunciado na audiência.

    O machismo do Judiciário faz com que medidas protetivas não sejam deferidas em tempo hábil para as mulheres de Contagem,

    afirmou a superintendente do Consórcio Regional de Promoção da Cidadania Mulheres das Gerais (CRPCMG), Ermelinda de Fátima Irinoi de Melo.

    spot_imgspot_img
    Artigo anterior
    Próximo artigo