sábado, 13 julho

    Motociclista é maior vítima do trânsito

    Matérias Relacionadas

    Ester Emanuelle para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

    Meu nome é Ester Emanuelle(@esterr_soares_), tenho 23 anos, sou...

    Edição 1235 28 de Junho de 2024

    Edição Online da Edição 1234 do Jornal de Contagem Pop Notícias

    Lula visita obras da Av. Maracanã

    O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,...

    Campeonato Brasileiro Júnior e Elite

    Os atletas do projeto de Ginástica de Trampolim de...

    Prêmio Internacional: Contagem participa de eleição

    Contagem está participando do 18º Prêmio "Boas Práticas em...

    Compartilhar

    De acordo com o Retrato da Segurança Viária no Brasil, relatório produzido pelo Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), Ambev e Falconi Consultores de Resultados, a frota de motos saltou de 4,6 milhões para 20 milhões – um aumento de 335% – no período de 2001 a 2012 no Brasil. O mesmo estudo também aponta que 55,1% dos feridos no trânsito do país são motociclistas.
    Um estudo realizado pelo Infosiga SP – banco de dados que reúne informações de acidentes de trânsito de diversas fontes – aponta que, no Estado de São Paulo, as ocorrências envolvendo motocicletas são a principal causa de óbitos por sinistros de trânsito. Porém, essa realidade não é exclusiva das metrópoles.

    Nas regiões Norte e Nordeste, por exemplo, o quadro é agravado pela falta de infraestrutura e pela desinformação quanto ao uso de equipamentos de segurança, o que aumenta o número de óbitos e feridos, diz Eduardo Biavati, mestre em sociologia e consultor em educação para segurança no trânsito.

    Ainda de acordo com o relatório Retrato da Segurança Viária no Brasil, entre 2003 e 2014, a frota de motocicletas no Nordeste aumentou 414%, saltando de 1,2 milhão para 6,2 milhões, representando 44% dos veículos da região. Além disso, das quatro cidades com maiores índices de óbitos no trânsito por 100 mil habitantes no Brasil, três estão no Nordeste: Presidente Dutra (MA), Sobral (CE) e Barbalha (CE).
    Para Biavati, uma alternativa para diminuir sinistros envolvendo motociclistas são ações casadas de intensificação da fiscalização e campanhas educativas. “As duas precisam ser simultâneas, como vemos no exterior”, observa.

    spot_imgspot_img
    Artigo anterior
    Próximo artigo