sexta-feira, 19 julho

    Roupas feitas por detentas são premiadas

    Matérias Relacionadas

    STF decide que lei que criminaliza fake news é inconstitucional

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

    Instituto CircoLar forma e catapulta artistas circenses de Minas Gerais

    Inscrições para a Formação Profissional em Artes Cênicas, que...

    Compartilhar

    A coleção produzida em uma pequena confecção instalada no Complexo Penitenciário Feminino Estêvão Pinto, em Belo Horizonte, com a ajuda de internas, foi convidada para participar da 21° edição do Minas Trend Preview, um dos principais eventos de moda do país, e ficou em terceiro lugar no concurso Readyto Go, que revela novos trabalhos.
    Há dois meses, quatro presas da ala de medida de segurança aprenderam a costurar e ajudaram a fundar a Coleção Vida, da recém-lançada Libertees, criada pela empresária Marcella Mafra. Nenhuma das quatro detentas havia tocado em uma agulha antes de entrar no Complexo Penitenciário.

    Além do trabalho de produzir as peças, outras detentas da unidade contribuíram
    com as estampas, que colorem as roupas. O resultado não poderia ter sido melhor.

    Alessandra Frade, que trabalha há mais de 20 anos com confecção, é a encarregada da marca na unidade prisional. Para as presas, Alessandra é o coração da confecção e a Marcella o cérebro.
    A Libertees visa contribuir para a qualificação profissional das detentas, preparando-as para a vida em liberdade. A empresa tem também como objetivo sensibilizar e incentivar outros empresários a trilharem o mesmo caminho.

    spot_imgspot_img