quarta-feira, 24 julho

    Dermatite atópica na infância: você conhece?

    Matérias Relacionadas

    STF decide que lei que criminaliza fake news é inconstitucional

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

    Instituto CircoLar forma e catapulta artistas circenses de Minas Gerais

    Inscrições para a Formação Profissional em Artes Cênicas, que...

    Compartilhar

    Doença crônica e não contagiosa, a dermatite atópica causa inflamações na pele e atinge mais crianças do que adultos. Segundo a dermatologista Joana Barbosa, a doença atinge 20% das crianças com menos de 7 anos e 18% com idade entre 7 e 16 anos. Já nos adultos, a incidência é de 10%.

    Ela se modifica de acordo com a idade. Nas crianças menores (entre 3 meses e 3 anos), as lesões são mais avermelhadas e estão localizadas na face, no tronco e nas superfícies externas dos braços e pernas. Em crianças maiores (dos 3 anos até adolescência) e adultos, têm lesões principalmente nas dobras do corpo, como pescoço, cotovelo e atrás dos joelhos. Cerca de 60% das crianças apresentam redução ou desaparecimento das lesões antes da adolescência, explica a médica.

    Segundo a especialista, os sintomas apresentados são coceira e lesões tipo eczema (descamação e vermelhidão) em diferentes partes do corpo. “E, quanto mais o paciente se coça, maior o risco de contaminação das lesões e piora do quadro”, acrescentou.
    Por se tratar de uma doença crônica, o quadro tem sua evolução em ciclos, onde há períodos de piora e melhora. “A dermatite atópica tende a aparecer ou a piorar quando a pessoa é exposta a certas substâncias ou condições. São fatores desencadeantes: pele seca; poeira; detergentes e produtos de limpeza em geral; roupas de lã e de tecido sintético; baixa umidade do ar; frio intenso; calor e transpiração; infecções; estresse emocional; certos alimentos”, explicou Joana.
    Tratamento e prevenção – Para promover o controle da dermatite atópica, a médica ressalta que é necessário reduzir ou evitar a exposição aos fatores desencadeantes e tratar as crises aguda.
    Ela lembra que em momentos de crise, os cuidados com a pele devem ser mantidos. Além disso, deve-se iniciar o tratamento prescrito pelo seu médico. “Os tratamentos mais utilizados são: os corticosteróides tópicos; antibióticos orais ou tópicos; anti-histamínicos; inibidores tópicos da calcineurina (pimecrolimus e tacrolimus). Já nos casos mais graves e extensos a fototerapia, talidomida, ciclosporina e metotrexate orais são algumas formas de tratamento”, citou a dermatologista.

    Dicas
    Uso diário e contínuo de cremes hidratantes com a pele úmida após o banho;
    O banho deve ser morno para frio, com uma duração média de 5 a 10 minutos, sem bucha;
    Use roupas leves, de algodão
    e evite tecidos sintéticos;
    Use sempre filtro solar;
    Evite contato com irritantes
    da pele;
    Mantenha as unhas curtas;
    Reduza o estresse.

     

     

     

     

     

     

     

     

    Fonte:Joana Barbosa, médica dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). (www.drajoanabarbosa.com).

    spot_imgspot_img