quinta-feira, 18 julho

    Doenças de pele

    Matérias Relacionadas

    STF decide que lei que criminaliza fake news é inconstitucional

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

    Instituto CircoLar forma e catapulta artistas circenses de Minas Gerais

    Inscrições para a Formação Profissional em Artes Cênicas, que...

    Compartilhar

    Com a chegada do verão, a exposição ao sol, a umidade e ao calor ocorre um aumento do número de casos de algumas doenças de pele como “brotoeja”/miliárias (em bebês, principalmente), micoses de pele e unhas, queimaduras solares, manchas e dermatites. A dermatologista, Adriana Biagioni acrescenta que até mesmo a acne pode ser desencadeada pela ação do sol na pele ou pelo uso de cosméticos, como filtros solares.

    O sol deixa a pele mais espessa, aumenta a eliminação de sebo e afasta as células de defesa, contribuindo para o surgimento de cravos e espinhas.

    Apesar de poder ocorrer em qualquer época do ano, o verão é o período mais propício para o surgimento de furúnculo e foliculites. “O calor, a umidade e o excesso de suor favorecem a proliferação de bactérias causadoras dessas infecções. Além disso, o ato de raspar ou depilar os pelos também pode contribuir, já que desencadeia pequenas lesões de pele que atuam como “porta de entrada” para esses micro-organismos”, disse a médica.

    Dicas – Por isso, evitar a exposição ao sol pode minimizar as chances de algumas doenças aparecerem. Veja outras dicas da dermatologista para tratar os problemas de pele dessa época.
    Manchas causadas por limão + sol – Não usar receitas caseiras ou medicamentos sem prescrição médica e procurar um dermatologista para o tratamento adequado. Tentativas de tratamento sem orientação podem até agravar a mancha.
    Herpes labial – Evitar exposição solar intensa e tomar sol aos poucos pode ajudar. Além disso, em casos de episódios de repetição pode ser feita uma profilaxia com antivirais usados para o tratamento de herpes.
    Micose da virilha – A micose é causada por fungos, micro-organismos que podem infectar a pele, a partir do contato com ambientes contaminados (terra, areia, piso de saunas, vestiários, etc), com outra pessoa infectada ou com animais de pelo que apresentem o fungo na pele. É importante evitar a umidade nesse local do corpo.

    Fonte: Adriana Biagioni, médica dermatologista e atua na Clínica da Pele, em Belo Horizonte (www.adrianabiagioni.com).

    spot_imgspot_img