26.2 C
Contagem
sexta-feira, maio 24, 2024
HomeCadernosCulturaAtividade cultural

Atividade cultural

Date:

Matérias Relacionadas

Edição 1232 24 de Maio de 2024

Edição Online da Edição 1232 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras na Avenida Maracanã

Uma obra estruturante As milhares de pessoas que passam todos...

Mais acessibilidade e inclusãox’

Facilidade de locomoção A Prefeitura investe para garantir a inclusão...

Aymoré e Arcor presenteiam a cidade

Comemorações O ano de 2024 é marcado por duas importantes...

Oncoclínicas inaugura unidade em Contagem

Considerado um dos maiores grupos de oncologia da América...
Ir para Criarteweb

Contagem foi bem representada pela Comunidade Quilombola dos Arturos no projeto Territórios Negros de Canto, Dança e Música, que aconteceu, no último final de semana (7 e 8/9), no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. O grupo de Contagem, representado por 23 pessoas, proporcionou uma vivência da Guarda de Moçambique, tradição que integra a Festa de Nossa Senhora do Rosário, declarada Patrimônio Cultural Imaterial de Minas Gerais. Além de apresentações culturais, o grupo também ofertou uma oficina com o tema: “Os Cantos, as Danças e os Ritmos do Congado da Comunidade dos Arturos’”.
A participação da comunidade em São Paulo foi uma forma de mostrar um pouco das tradições quilombolas a pesquisadores, funcionários e associados do Sesc e demais presentes. “Foi um momento muito bonito, no qual as pessoas se emocionaram com o histórico do povo negro e do povo quilombola dos Arturos”, destacou o superintendente de Políticas de Promoção de Igualdade Racial de Contagem, Jorge Antônio dos Santos, que articulou a participação da comunidade no evento.
O superintendente, que também é mestre da Guarda de Moçambique, ofertou, com a participação de seu filho percussionista, Thiago Antônio dos Santos, uma oficina a um público de 25 pessoas. Nessa atividade, os participantes puderam tocar, cantar e dançar com os oficineiros que apresentaram os ritmos do congados e todos os valores que a Comunidade dos Arturos preserva. “Ao som dos tambores, dos gungas e dos patangones, os participantes da oficina puderam vivenciar o que é ser congadeiro, o que é ser membro de uma comunidade tradicional e o que é carregar consigo toda história de um povo sofrido”, disse Jorge.

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar