18.1 C
Contagem
segunda-feira, junho 24, 2024
HomeCadernosCulturaFesta da Abolição

Festa da Abolição

Date:

Matérias Relacionadas

Rayza Almeida para o Gata Dmais – Por João Paulo Dias

Meu nome é Rayza Almeida(almeira_rayzaaxz), tenho 20 anos, estou...

Edição 1234 21 de Junho de 2024

Edição Online da Edição 1234 do Jornal de Contagem Pop Notícias

Obras de mobilidade na BR-381

Desenvolvimento Contagem não para. Após articular, em Brasília, uma reunião...

Restauração do Centro Cultural

Cuidado com o patrimônio Na última semana a Prefeitura deu...

Procon Câmara bate recordes em atendimentos

Referência em defesa do consumidor desde sua inauguração, em...
Ir para Criarteweb

A tradicional Festa da Abolição, uma das mais ricas manifestações da Comunidade Quilombola dos Arturos, acontece no próximo final de semana, dias 13 e 14 de maio. O festejo, que acontece desde 1972, recorda a época do cativeiro do povo negro e a abolição da escravatura.

A programação reúne atividades variadas, permeadas pelo congado, como o desfile dos escravos, carros de boi e cavaleiros, o cortejo das guardas de Congo e Moçambique da comunidade e de outros grupos visitantes, o lamento negro, a encenação da abolição e a missa conga.

Anastácia, sentenciada por um senhor de escravos a usar uma máscara de ferro por toda a vida, é a imagem da resistência (Foto: Carolina Dellamore)

História – Os Arturos descendem de Camilo Silvério da Silva que, em meados do século XIX, chegou ao Brasil num navio negreiro vindo de Angola. Do Rio de Janeiro, Camilo foi enviado a Minas Gerais para trabalhar num povoado situado na Mata do Macuco, antigo município de Santa Quitéria, hoje Esmeraldas. Neste povoado, trabalhou nas minas e como tropeiro nas lavouras. Casou-se com uma escrava alforriada chamada Felismiba Rita Cândida. Dessa união nasceram seis filhos.
Artur Camilo Silvério foi o filho que mais prosperou. Nasceu em 1885, época da Lei do Ventre Livre e casou-se com Carmelinda Maria da Silva. Os dois tiveram 10 filhos e vieram morar em Contagem, na localidade então conhecida como Domingos Pereira, onde adquiriram a propriedade na qual ainda vivem seus descendentes.
A comunidade oferece um retrato da identidade cultural e das tradições dos negros africanos trazidos para o Brasil no período escravagista, bem como da miscigenação com a cultura portuguesa, que deu origem a um sincretismo que ora se comemora isoladamente, ora em companhia das comunidades que vivem a seu redor.
Entre as celebrações dos Arturos, destacam-se o Batuque, a festa da capina (“João do Mato”), a folia de Reis, a Festa da Abolição da Escravatura e, principalmente, o Reinaldo de Nossa Senhora do Rosário (Congado).

Eles também formam o grupo artístico Arturos Filhos de Zambi que trabalha percussão, dança afro e teatro em torno da história dos negros.


Mais Informações: (31) 99129-0392 / 99718-6527 (Jorge dos Santos).

Últimas Matérias

spot_img
Iniciar Conversa
Precisa de Ajuda?
JORNAL DE CONTAGEM
Olá
Podemos Ajudar