Fernão Dias pede socorro!

0
9

O parque Fernão Dias, uma das maiores áreas verdes em região urbana da Grande Belo Horizonte, pede socorro. Consumido pela ação do tempo, falta de manutenção e o vandalismo, o parque, que tem 1,3 milhão de metros quadrados e está localizado entre Contagem e Betim, é hoje uma pálida imagem do que era há dez anos atrás.

Amplamente utilizado pela população de Contagem e municípios vizinhos na década de 90, a área de lazer do parque, com brinquedos, quadras esportivas, mirante e demais equipamentos, estão quebrados, enferrujados e depredados. Toda a infraestrutura está em estado de completo abandono. Inclusive o local está interditado desde 2014, devido às condições de degradação e insegurança em que se encontra. É lastimável que os moradores de Contagem, tão carentes de espaço para o lazer, tenham sido privados de utilizar a estrutura do parque.

Mas, o mais preocupante é que a situação de abandono do parque Fernão Dias pelo poder público tem comprometido sua área ambiental, composta por mata nativa e nascentes. A denúncia foi feita pelo vereador Daniel do Irineu durante reunião realizada na terça-feira (14/02), no Plenário da Câmara.

O parlamentar mostrou aos colegas do Legislativo, imagens de satélites que identificam os focos de um enorme desmatamento da mata nativa e pediu aos colegas vereadores que se unam a ele em busca da revitalização e reflorestamento do parque, criado em 1980. Veja matéria na página 6.

A degradação do parque é também uma preocupação da deputada estadual e ex-prefeita de Contagem, Marília Campos, que tem lutado pela sua revitalização. Tudo leva a crer que sua luta começa a dar os primeiros resultados. Em dezembro de 2016, foi publicada no Diário Oficial a sanção do governador à Lei 22.428 que cria a Área de Proteção Ambiental (APA) Parque Fernão Dias. A norma tramitou na Assembleia como Projeto de Lei 2.999/15, de autoria de Marília Campos, e foi aprovada em 2° turno em novembro passado.
Um dos objetivos da nova lei é proteger o ecossistema natural e os remanescentes de mata atlântica e a diversidade biológica. Só esperamos que esta lei seja colocada em prática o mais rápido possível.

SEM COMENTÁRIOS