Dona Mayá

0
23

Pintura-sobre-palhaProjeto Tudoaver apresenta exposição de Dona Mayá, realizando sonho antigo da jovem senhora de exibir parte de sua produção no Centro Cultural de Contagem. A mostra, que reúne pinturas sobre palha de coqueiro e tapeçarias, revela o talento e originalidade da artista no trato com a artesania. Tanto nas pinturas, quanto nas tapeçarias, destacam-se sua habilidade com as materialidades, estilização, o caráter ingênuo e primitivo que se revela na simplicidade de seu traço, características que nos levam a situar sua obra nas cercanias da produção “Naif, primitiva ou ingênua”, como a história da arte costuma classificar este estilo. Sobre sua produção mais recente e original, que são as pinturas sobre palha, iniciadas em 2007, quando estava vivendo em Rio das Ostras, a artista diz que “…em princípio, parece não haver ligação entre as figuras, de beleza singela, com a essência rústica e selvagem da palha, mas o desenho e a pintura conquistam e se integram harmonicamente ao suporte, revelando o predomínio da suposta fragilidade das mãos humanas, sobre a força indomável da natureza.”

Embora nascida no Rio de Janeiro, em 1931, tem sua história de vida intimamente ligada à Contagem, onde veio viver em meados da década de 1960. Ainda no Rio, ensaiou seus primeiros passos nas artes com a canalização de sua sensibilidade para várias manifestações: cerâmica, escultura, pintura, literatura e música, como ela recorda entusiasmada. De ascendência russa (pai) e portuguesa (mãe), casou-se com um Belga e internacionalizou-se de vez. Foi acompanhando o marido, que se mudou pra Contagem. Mais tarde, já integrada à vida interiorana da “Contagem rural”, ficou viúva e casou-se novamente, com Nilo, filho da Terra, de quem herdou o sobrenome Belém. Criou seus filhos aqui, sempre fazendo arte em seu tempo livre. Trabalhou, também, no setor social da Prefeitura de Contagem e foi instrutora de artes no “Cantinho do Idoso”, no final dos anos 80 e início dos anos 90.

Aos 84 anos, Dona Mayá gosta de recordar o passado e contar histórias de sua vida, sempre muito movimentada e cheia de detalhes curiosos, mas o que destacamos aqui é sua sensibilidade e habilidade para construir belas obras de arte.
A mostra pode ser vista até o dia 31 de agosto, na Galeria do Centro Cultural de Contagem (casa amarela), que está no endereço: Rua Dr. Cassiano, 130, Centro de Contagem.
O horário de visitação é das 9 às 17h de segunda a sexta-feira.

SEM COMENTÁRIOS