Pamonha, batata doce assada, quentão, caldo de mandioca, broa de fubá e curau. Esses e muitos outros produtos que compõem as festas juninas e julinas levam hortaliças que têm movimentado o atacado do entreposto de Contagem. As quantidades ofertadas de mandioca, milho verde, batata doce e gengibre, por exemplo, aumentaram de 12,8% a 30,1%, no período de 26 de maio a 10 de junho em relação aos 30 dias anteriores. Com exceção da mandioca, todos esses produtos ficaram mais baratos.

Nesse período, o preço do milho verde caiu 14,6%, apesar da grande procura, passando de R$ 1,03 para R$ 0,88 no atacado. O gengibre, muito utilizado nos quentões, ficou 11,2% mais barato e a batata-doce apresentou queda de 8,2%. Já a mandioca ficou 10,5% mais cara.

A valorização da mandioca, apesar do aumento do volume ofertado,é um típico sinal de pressão da demanda, conforme aponta Hermínio Veríssimo, produtor rural de Piedade das Gerais (MG). Desde que as temperaturas começaram a cair, ele já observa uma procura em torno de 30% maior pela hortaliça. “Se em um dia normal, eu vendia em torno de 250 caixas, agora saem 350”, afirma Veríssimo, que comercializa no Mercado Livre do Produtor da CeasaMinas (MLP), em Contagem.

Produtores de mandioca acreditam que 2016 possa representar a recuperação do preço do produto. Nos últimos dois anos, o produto foi negociado a preços considerados baixos pelos produtores, o que desestimulou novos cultivos para a safra atual. “Esperamos uma recuperação agora e maior ainda em 2017”, ressalta.

Outro produtor de mandioca, Cassimiro Geraldo da Silva, de Bonfim (MG), confirma a grande procura nos meses mais frios. “Por várias vezes tive que doar até 170 caixas de mandioca porque não havia compradores. Hoje, trago de 300 a 400 caixas por dia, e não sobra”, afirma.

produtor-Andre-Gonþalves-(5

Milho verde

O milho verde é outro símbolo da culinária junina que também apresentou aumento na oferta, visando atender melhor o mercado consumidor.”Trabalho com milho verde há cerca de 15 anos e quando chega os meses de junho e julho, a procura chega a dobrar”, ressalta André Gonçalves Ferreira, produtor de Conceição do Pará (MG).

Ele explica que, nesta época, as quintas e sextas-feiras, dias mais próximos aos fins de semana, sempre apresentam uma procura maior, o que valoriza a hortaliça no mercado. “Nos dias mais movimentados conseguimos até R$ 30 pelo saco de 20 quilos. Para o produtor, acima de R$ 20, é um preço favorável. De 2ª a 4 feira, o mercado é mais morno. Quem vai usar para a festa de sexta ou sábado, não compra na 2ª feira”, lembra.

Batata doce

Já a procura pela batata doce não aumenta somente com o frio e as festas típicas. Ela é influenciada ainda pelos da batata inglesa. É o que explica o produtor rural Dário Fernandes de Morais, de Belo Vale (MG). Isso porque a alta de preço da batata inglesa acaba estimulando a substituição pela batata doce.

Segundo Dário Fernandes, a queda do preço médio de 8,2% representa apenas uma retomada do valor considerado normal para o produtor. “A batata doce na verdade voltou ao preço normal. Há uns 2 meses, ela apresentou uma alta de preço por causa da redução da oferta”.

Gengibre

Item essencial no preparo do quentão, junto com cachaça, canela e açúcar, o gengibre é outro produto típico que ficou mais barato nas últimas três semanas no atacado.

“Neste ano, senti que o mercado comprador está mais devagar que no ano passado”, ressalta o produtor de Santa Rita de Caldas (MG) Luiz Carlos Junior. Ele espera que tanto o preço quanto a procura aumentem até o fim do mês. Na mesma época de 2015, por exemplo, o quilo do gengibre foi comercializado a R$ 3,29 no atacado. Já nas últimas três semanas deste ano, o preço médio ficou em R$ 2,22.

A dica do chefe da Seção de Informações de Mercado da CeasaMinas, Ricardo Fernandes Martins, é pesquisar bem na hora de comprar no varejo, uma vez que os preços entre um estabelecimento e outro podem variar bastante.

PRODUTOR-HERMINIO-VERISSIMO

DICAS NA HORA DE COMPRAR

Milho verde

Deve ser comprado bem fresco, com as folhas bem verdes e o cabelo marrom escuro. Se estiver à venda sem casca, verifique se a ponta inferior da espiga é afilada e macia. Isto indica que está em boas condições. Para fazer pamonha, cural, bolo ou pudim, o melhor é o milho mais amarelo, que possui mais amido. Se os grãos forem cozidos ou assados, o recomendável são as espigas mais claras, pois estão mais novas.

Batata-Doce

Prefira as raízes mais compridas (13 a 15 cm). Devem estar firmes, com a casaca fina e lisa, de preferência branca ou rosa, sem cortes ou picadas de insetos. Se um pedaço pequeno estiver estragado, todo o resto adquire gosto ruim. Na hora de armazenar, prefira lugares secos, frescos e arejados, longe da luz direta do sol e da geladeira.

Mandioca (aipim ou macaxeira)

Prefira aquelas em que a casca solte facilmente. A polpa deve ter cor branca ou amarelada uniforme. Recuse as que tiverem a polpa arrocheada ou com riscas pretas. Para conservar, descasque e guarde em vasilha com água. Descascada e embalada, pode durar até 1 mês no congelador. Outra dica é verificar a raiz: quando é mais grossa, é sinal de que o aipim é menos duro e cozinha melhor.

Gengibre

Devem estar limpos, intactos, firmes e sem pontos pretos e gelatinosos. Não devem ter manchas, excrescências, mofos ou marcas de apodrecimento. Evite também os ressecados, pois são murchos por dentro.

Acompanhe as demais dicas de consumo e o boletim diário de preços no link Informações de Mercado, em www.ceasaminas.com.br.

SEM COMENTÁRIOS