Tambor-01

O dia 7 de setembro está próximo e, neste ano, além da Independência do Brasil, terá um novo motivo de comemoração. Neste dia será lançado às 13h, na sede da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, os Ciriacos, o livro A Voz dos Tambores: uma história dos Ciriacos, patrocinado pelo Fundo Estadual de Cultura de Minas Gerais, que conta a trajetória da Irmandade do Rosário – Os Ciriacos, uma história de sessenta anos de fé, resistência e luta. História que começou com Ciriaco Celestino Muniz e continuou com seu filho Antonio Jorge Muniz, capitão-mor da irmandade, que junto com mais de cem irmãos do rosário, mantém viva a tradição do Reinado.

A obra foi organizada por Adebal de Andrade Júnior e Carolina Dellamore, que contaram também com uma equipe de pesquisadores formada por Ana Rita Andrade, Isabela Oliveira e Kelly Rabello. O projeto gráfico é de Mário Fabiano. Colaboraram Débora Raíza, Ellen Alves, Guilardo Veloso, Jotaerre Silva, Maurício Tizumba, Tarcísio do Nascimento Galdino e Thiago Bruss.

“Abordamos neste trabalho a origem da irmandade com a Guarda de Moçambique comandada por Ciriaco Celestino e a participação das mulheres na criação da Guarda de Congo. Além de uma descrição geral da hierarquia do Reinado, com seus cargos e funções; e das festividades que fazem parte do calendário da irmandade, assim como o Candombe, ritual introduzido em 2014. Mostramos ainda a participação e o envolvimento de jovens e crianças na preservação dessa herança cultural”, dizem os organizadores.

Identidade – Essa publicação trouxe impactos positivos para a irmandade, pois possibilitou a reflexão sobre sua história, principalmente pelos jovens e crianças, que são os responsáveis pela continuidade do Reinado.
Além disso, um projeto de memória como esse, certamente contribui para o fortalecimento dos marcos identitários e de pertencimento desses sujeitos.

Fundada em 1953, a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, os Ciriacos, conta com cerca de 130 integrantes. A irmandade constitui-se de dois grupos: Guarda de Congo e de Moçambique. Todos os anos, no primeiro domingo após o dia 13 de maio, dia dedicado à comemoração da abolição da escravatura no Brasil, pela princesa Isabel, as irmandades realizam o congraçamento, com devoção à Nossa Senhora do Rosário, Santa Efigênia e São Benedito. A festividade conta com Missa Conga, procissão, entrega das coroas e descerramento dos mastros. As guardas convidadas tem representantes de várias cidades metropolitanas e do interior do Estado. A sede dos Ciriacos, fica na rua Balneário, 240, Novo Progresso, e na Igreja de São Geraldo, no mesmo endereço.

SEM COMENTÁRIOS