Os planos e as ações para enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes foram apresentados por representantes do Governo do Estado durante audiência pública da Comissão de Direitos Humanos

da Assembleia Legislativa realizada na última terça-feira. Fortalecimento de conselhos tutelares e capacitação de hospitais em locais com altos índices de violência para identificação e tratamento de vítimas foram algumas das medidas apontadas.

A violência sexual foi apontada como uma das agressões mais graves sofridas por crianças e adolescentes no País. Segundo estudo da Polícia Rodoviária Federal, Minas Gerais é o estado com o maior número de pontos vulneráveis, com altos índices de exploração sexual ao longo das rodovias.

Só em Minas Gerais, foram 4.459 casos de abuso sexual de menores em 2013/14. O número de estupros de menores de 14 anos chega a  60% maior do que em outras faixas etárias.

O deputado Durval Ângelo (PT), que presidiu a reunião, destacou que o diagnóstico realizado pelo governador Fernando Pimentel identificou que as estatísticas de registros criminais nos últimos anos teriam sido sistematicamente forjadas. “Ficaram de fora das estatísticas quase 7 mil casos de estupros de vulneráveis. Esses números aqui apresentados são cerca de 60% menores do que a realidade”, afirmou.

Representantes do Governo  relataram  ações que estão sendo planejadas. Uma das ações prioritárias é a ampliação da rede de assessoria aos municípios. Desde quarta-feira, 20, come- çaram a ser convocados psicólogos e assistentes sociais para formarem esses grupos. Serão implantados ainda neste ano dez conselhos regionais de proteção à criança e ao adolescente. O objetivo é criar 17 deles, o que ainda estaria sob discussão, mas  dez já estariam garantidos.

SEM COMENTÁRIOS