Frio e tempo seco trazem à tona as rinites, comuns à esta época do ano

O Inverno começa oficialmente na tarde deste domingo, 21 de junho e não são só os casacos e cobertores que saem do armário. Ácaros e poeira, que estavam esquecidos no fundo do guarda-roupas, também saem – e voam – direto para as narinas, causando espirros, crises alérgicas e a famosa coriza, ou nariz escorrendo.

Junte a isso o clima típico de outono, com forte variação de temperatura, manhãs e tardes frias e dias quentes, e temos o ambiente perfeito para o aparecimento da rinite, que nada mais é do que uma resposta do organismo a estímulos externos, como: poeira, tempo seco e variação de temperatura.

De acordo com Dr. Rafael Geminiani, médico otorrinolaringologista, as rinites se manifestam de duas formas: alérgica e vasomotora. “A rinite alérgica é causada pelo sistema imunológico, que responde ao contato com alérgenos, como: pólen, poeira e ácaros ou com alimentos, a exemplo dos frutos do mar. Já, no caso da rinite vasomotora, é uma reação às variações bruscas de temperatura”, explica. Os sintomas da rinite são fáceis de reconhecer, afinal é comum sentir o nariz entupido e escorrendo, além das coceiras, inchaço no rosto e dor de cabeça.

Ainda segundo o especialista, as rinites afetam, principalmente, crianças e idosos. “Crianças de 3 a 5 anos possuem maior vulnerabilidade, conhecida por ‘janela imunológica’, que as predispõem a sofrer mais com a rinite alérgica. Os idosos, por sua vez, são mais propensos a sofrer com a modalidade vasomotora da doença, causada pela variação de temperatura”, ilustra.

Confusão – O tratamento mais comum para qualquer tipo de rinite é a lavagem nasal com soluções de cloreto de sódio, os populares soros. Outra recomendação é evitar a exposição a fatores que estimulem o surgimento da doença.

Embora simples, o tratamento da rinite deve ser aconselhado por um médico, pois muitas vezes o paciente pode confundir a rinite com outras doenças, como explica o otorrinolaringologista

Muitas pessoas confundem a rinite com sinusite, resfriados e gripes, não dando a devida importância, ou fazendo o tratamento incorreto, o que pode causar complicações, como infecções de garganta e ouvido até outras mais graves, como a pneumonia, alerta.

Contagem, 18 de Junho 2015

SEM COMENTÁRIOS